O fechamento do mercado se aquece na Premier League. E, mesmo que não figure entre as contratações mais bombásticas de última hora, o Manchester City fez uma troca interessante para aumentar a força de seu elenco. Danilo não é mais lateral dos celestes. Entretanto, o setor está ainda mais forte agora, com a compra de João Cancelo. A transação já vinha sendo alinhada durante os últimos dias e teve primeiro o anúncio do brasileiro como novo jogador da Juventus, nesta terça-feira. Horas depois, já na quarta, os Citizens confirmaram a chegada do português à sua defesa.

Os números da transferência soam um tanto quanto exagerados, mas acabam se abatendo. Cancelo custou oficialmente €65 milhões aos cofres do Manchester City, preço acima de seu valor de mercado. Danilo sai ainda mais caro ao que realmente vale, por €37 milhões. Todavia, caberá aos ingleses pagarem a diferença de €28 milhões. Dentro do contexto, e até considerando os €40 milhões desembolsados pelos juventinos para contratar o português junto ao Valencia há dois anos, não parece um negócio ruim aos mancunianos – bem longe disso. O elenco de Pep Guardiola ganha em potencial.

Cancelo, afinal, oferece características diferentes ao time. Possui mais qualidade ofensiva do que o seu concorrente na posição, Kyle Walker. Pode se encaixar ainda melhor como ala, dentro das variações possíveis. E, aos 25 anos, tende a crescer mais. A capacidade nos passes e o talento para criar jogadas transformam o lusitano em mais uma arma do City, algo que o tornava tão requisitado por Guardiola. Além disso, ganha a chance de aprimorar outras incumbências, sobretudo na cobertura defensiva. Será bem mais exigido na marcação e não poderá se expor tanto aos erros, um problema que também marcou sua passagem pela Juve.

Em um mercado de movimentações pontuais, o Manchester City procurou essencialmente ampliar o seu leque de opções ao time titular. Foi o que ganhou sobretudo com Rodri, principal investimento da diretoria, que tenderá a entrar gradualmente na cabeça de área. É também o que proporciona Cancelo na lateral direita, enquanto Angeliño será alternativa um pouco menos badalada pela esquerda. No fim das contas, a manutenção de um conjunto já fortíssimo foi o principal objetivo ao longo da janela.

Danilo, por sua vez, parece entrar já em um momento descendente da carreira. Não aproveitou tão bem o seu tempo no Real Madrid e o Manchester City surgiu como uma nova chance de se reerguer. Contudo, também perdeu gradualmente seu espaço na Inglaterra. Pela segunda vez, “cai para cima”, ganhando novas perspectivas na Juventus. Aos 28 anos, não possui margem à manobra e terá que disputar o seu espaço com Mattia De Sciglio. Mesmo assim, o sistema de Maurizio Sarri pode ajudá-lo, com mais liberdade para apoiar.

À Juventus, o mercado ainda deve render mais algumas manchetes. Matthijs de Ligt, Luca Pellegrini e Merih Demiral são os principais investimentos, todos jovens, embora os bianconeri já tivessem assegurado os excelentes acréscimos gratuitos de Gianluigi Buffon, Aaron Ramsey e Adrien Rabiot. O futuro de Paulo Dybala é o principal assunto, assim como fica a expectativa sobre aquilo que o clube poderá fazer diante da provável ida de Romelu Lukaku à Internazionale – com a perspectiva de trazer Mauro Icardi. Em uma dança das cadeiras frenética, o acréscimo de Danilo acaba se tornando um mero detalhe aos juventinos.