Enquanto o uso do VAR no Brasileirão gera intensas discussões, a Liga dos Campeões da África começou com um enorme protesto contra as arbitragens. A torcida do Wydad Casablanca, além de ser reconhecida por seu engajamento e por suas grandes festas nas arquibancadas, também foi vítima de um dos maiores escândalos dos últimos tempos. E aproveitou sua estreia em casa na competição continental para se manifestar, em forma de mosaico, contra o absurdo ocorrido na decisão mais recente da Champions Africana.

O Wydad possui todos os motivos para não concordar com o título do Espérance. No jogo de ida, realizado no Marrocos, os alvirrubros tiveram um gol mal anulado e um pênalti negado mesmo com o auxílio do VAR. Já ficaram na bronca, mas não há nada ruim o suficiente que não possa piorar. Durante a volta na Tunísia, após outro gol mal anulado a favor dos marroquinos, o árbitro se recusou a revisar o lance no vídeo. Alegou que o monitor não estava funcionando – e, de fato, havia sofrido uma pancada de um policial tunisiano. Depois de muita confusão, o Wydad se retirou de campo e o Espérance celebrou a conquista. A CAF até tentou anular o resultado e remarcar o jogo depois disso, mas os tribunais confirmaram o título escandaloso. E os marroquinos não deixaram barato.

Neste domingo, o Wydad recebeu o Nouadhibou, da Mauritânia, pela última fase classificatória da Champions Africana 2019/20. Antes que a bola rolasse, uma faixa e um mosaico tomaram uma das curvas no Estádio Mohamed V, em Casablanca. “Veredito: um gol basta para provar que sua corrupção não tem limites”, dizia a mensagem. Pouco depois, a torcida ainda levantou um bandeirão ilustrando o lance do gol que gerou toda a polêmica. Os torcedores também se vestiram de preto, em protesto contra a CAF. Com a goleada por 4 a 1, os marroquinos se classificaram à fase de grupos.