A noite de sexta-feira guardou um programa especial aos torcedores no Marrocos. A Liga dos Campeões da África realizou o seu primeiro jogo das finais, entre Wydad Casablanca e Esperánce. E que o horário seja pouco usual, isso não impediu que as arquibancadas estivessem completamente abarrotadas para o duelo decisivo. Como o Estádio Mohammed V está em obras, a torcida marroquina pegou 100 km de estrada e esgotou os ingressos no Estádio Príncipe Moulay Abdellah, em Rabat. Mesmo longe de casa, os fanáticos alvirrubros realizaram seu hipnotizante espetáculo. Só não puderam comemorar a vitória. Em jogo no qual o VAR foi bastante acionado, o Espérance volta para a Tunísia com o empate por 1 a 1.

As melhores cenas no estádio aconteceram fora do campo. A torcida do Wydad Casablanca não é uma das mais famosas do mundo à toa. Os alvirrubros realizaram os seus incessantes cânticos, assim como deram um show pirotécnico durante o duelo. Daquelas cenas que mostram por que, em alguns lugares do mundo, as finais em jogo único não podem ser adotadas. A energia tomou a atmosfera em Rabat, enquanto os dois times faziam uma tensa decisão.

Apesar da pressão, o Espérance saiu em vantagem ao final do primeiro tempo. Fousseny Coulibaly aproveitou um rebote do goleiro para marcar aos tunisianos. Além disso, os marroquinos ficaram na bronca com o VAR. Por duas vezes o árbitro consultou o vídeo e tomou decisões contra o Wydad. Anulou um gol antes do intervalo, por um toque de mão bem discutível, e também negou um pênalti a favor dos anfitriões. Diante da postura confusa do apitador egípcio, a torcida se revoltou. A situação do WAC se tornaria ainda mais difícil aos cinco minutos da etapa complementar, após a expulsão do capitão Brahim Nakach, com o segundo amarelo. Ao menos os alvirrubros arrancaram o empate a dez minutos do fim, em tento do zagueiro Cheick Comara. A volta, na Tunísia, acontece na próxima sexta-feira.