A Série C merecia o rótulo de competição mais impiedosa do calendário brasileiro. As equipes lutavam pela classificação aos mata-matas durante longas 18 rodadas, mas apenas dois jogos definiam o acesso à segunda divisão nacional. O regulamento muitas vezes puniu equipes de melhor campanha e viu alguns clubes tradicionais atravessarem verdadeiros calvários na Terceirona – com destaque especial ao sofrimento do Fortaleza. A partir de 2020, porém, o sistema de disputa mudará. Nesta segunda-feira, a CBF anunciou mudanças que extinguem os mata-matas. A emoção tende a se reduzir, mas a regularidade acaba premiada.

A Série C continuará disputada por 20 times divididos em dois grupos regionalizados. A mudança acontece a partir da segunda fase, que não terá mais os confrontos eliminatórios. A partir de agora, os quatro classificados de cada chave se misturarão e formarão dois quadrangulares. As equipes nesta etapa se enfrentarão em jogos de ida e volta. Os dois primeiros colocados de cada um desses quadrangulares conquistarão o acesso. Enquanto isso, os líderes das chaves definirão o título da Terceirona, em partidas de ida e volta.

Por emoção, a Série C ofereceu alguns dos duelos mais fantásticos do futebol brasileiro nos últimos anos. Não foram poucas as reviravoltas e as surpresas entre as equipes que selaram o sua promoção à Segundona. Ainda assim, a maneira como os times ficavam suscetíveis a apenas dois jogos não agradava muita gente. Uma campanha soberana ao longo de toda a competição poderia ser punida por uma noite ruim – com o Fortaleza quase sempre servindo de exemplo, em seu purgatório dentro do Castelão. Além do mais, no novo formato, os confrontos também ficam menos expostos a erros de arbitragem, como o ocorrido no Náutico x Paysandu de 2019.

Em votação realizada na sede da CBF, o novo sistema de disputa venceu a eleição com 14 votos favoráveis e seis contrários. A partir de agora, a regularidade será bem mais necessária para premiar as equipes que almejarem uma vaga na Série B. O número de datas triplica e até mesmo o modelo se torna mais interessante em termos de calendário, por preencher melhor a agenda dos times. E nada impede, também, que o formato ainda guarde sua dose de taquicardia na rodada final. O cenário permanece aberto a reviravoltas e grandes decisões. Mas, ao menos, a linha se torna menos tênue.

A Série C começará em 3 de maio. O Grupo A será composto por Botafogo-PB, Ferroviário, Imperatriz, Jacuipense, Manaus, Paysandu, Remo, Santa Cruz, Treze e Vila Nova. Já o Grupo B reunirá Boa Esporte, Brusque, Criciúma, Ituano, Londrina, São Bento, São José-RS, Tombense, Volta Redonda e Ypiranga de Erechim.