Já faz um tempo que Dayot Upamecano se transformou em nome bastante cotado no mercado de transferências. São três temporadas como titular absoluto no coração da defesa do RB Leipzig e três temporadas como um dos melhores zagueiros da Bundesliga. Aos 21 anos, o francês ainda precisa aprimorar detalhes, mas tem tudo o que um bom defensor precisa: leitura de jogo, presença física, tempo de bola. Como um extra, ainda sabe sair jogando e inicia os avanços de uma equipe com DNA ofensivo. E se havia alguma dúvida de que o jovem poderia atuar em um nível mais alto de exigência, ela se dissipou totalmente nesta quinta-feira de Champions. Upamecano fez uma senhora partida contra o Atlético de Madrid, pilar na classificação dos Touros Vermelhos às semifinais do torneio continental.

Upamecano é daqueles jogadores que surgem como fenômenos. E os méritos são todos da Red Bull, que conseguiu atrair a promessa antes de qualquer outro. Descendente de bissauenses, o beque nascido na Normandia atuava nas categorias de base do Valenciennes quando começou a chamar atenção. O destaque nas seleções francesas menores seria decisivo para que se afirmasse, especialmente após conquistar o Europeu Sub-17 em 2015 e acabar eleito ao time ideal do torneio. A lista de interessados era grande e incluía Arsenal, Juventus, Olympique de Marseille, Manchester City e até o próprio Bayern de Munique. Mas, com um projeto de desenvolvimento mais atrativo, a Red Bull fechou o negócio e o levou primeiro à Áustria – para o Liefering, a filial do Salzburg.

Depois de seis meses na segundona austríaca, Upamecano chegava ao Salzburg. Ficou um ano na Red Bull Arena, até pular etapas rapidamente mais uma vez e, em janeiro de 2017, chegar ao Leipzig. Estava claro como o talento do zagueiro o colocava na franquia principal da marca de energéticos, embora a precocidade também sugerisse calma ao lançá-lo. Nem precisou. Aos 18 anos, Upamecano ganhou a posição na reta final da Bundesliga 2016/17, precisando substituir o capitão Willi Orban após este se lesionar. Nem sentiu o peso da responsabilidade e deu sua contribuição ao vice-campeonato na temporada de estreia do RasenBallsport na primeira divisão. Era expressa sua capacidade para já encarar os melhores.

Quando a Bundesliga 2017/18 começou, Upamecano havia sido promovido pelo técnico Ralph Hasenhüttl: atuaria ao lado de Orban no miolo da zaga. Faria uma boa temporada, mesmo que os Touros Vermelhos tenham piorado seu desempenho com a sexta colocação. O crescimento do jogador parecia franco, até que uma séria lesão no joelho o afastasse por quatro meses da equipe em 2018/19. Voltaria mais forte para a atual temporada, sendo um esteio à linha defensiva montada por Julian Nagelsmann. O treinador variou muito os seus sistemas de jogo. Seja com dois zagueiros ou com três, ocupando o espaço do líbero, Upamecano elevou seu rendimento.

O mais notável em Upamecano, além de suas qualidades técnicas e de sua aptidão física, é a capacidade mental. Maturidade não é problema, apesar da pouca idade. E algumas de suas melhores atuações na temporada vieram justamente nos testes mais exigentes. Seria assim no empate sem gols contra o Bayern de Munique durante o segundo turno, quando tomou conta da linha defensiva e segurou a máquina de Hansi Flick. Seria assim também contra o Tottenham, mandando nos 3 a 0 dentro da Red Bull Arena. E o embate no José Alvalade viraria o ápice.

Upamecano tinha o desafio de combater um centroavante chato como Diego Costa. O sergipano acabaria em seu bolso, totalmente anulado ao longo da noite. Que o Atlético tenha criado pouco, também há méritos na forma como o trio de zaga composto ao lado de Lukas Klostermann e Marcel Halstenberg funcionou. Upamecano foi soberano pelo alto, se saiu muito bem nos combates corpo a corpo, marcou firme e mal permitiu espaços no centro da área. E, mais notável, iniciou muito bem o jogo ofensivo do Leipzig. Além da precisão nos passes, algumas vezes se mandou ao ataque e se transformou em elemento a mais para abrir a marcação colchonera. Não à toa, foi o jogador dos Touros Vermelhos com mais dribles na noite.

Ao final do jogo, merecidamente, Upamecano levou para casa o prêmio de melhor em campo oferecido pela Uefa. E tal reconhecimento não surpreende a quem acompanha seu futebol. O zagueiro é uma das razões que levam o Leipzig tão longe nesta Champions, assim como evidencia mais uma vez o excepcional trabalho da Red Bull na formação de talentos. Talvez a Red Bull Arena fique pequena para ele dentro de algum tempo. E, por essa bola toda, vira um nome cada vez mais pronto a fortalecer a seleção francesa já rumo à Eurocopa. Pede passagem.