A rodada só não foi pior ao São Paulo porque o Strongest deu uma ajuda no final

O empate nos minutos finais em La Paz evitou que os dois principais rivais dos tricolores abrissem vantagem acima na tabela

O São Paulo viajou à Venezuela sabendo que precisaria voltar com uma vitória da bagagem. Claramente o Trujillanos aparece como o rival mais fraco de seu grupo na Libertadores, e a vitória fora de casa serviria para revigorar as chances tricolores, especialmente depois do tropeço na estreia. Nada feito. A equipe de Edgardo Bauza pareceu se esquecer do bom futebol exibido contra o River Plate e teve atuação coletiva desastrosa, sem ir além do empate por 1 a 1. Ao menos, a noite só não foi pior porque o Strongest arrancou a igualdade contra o River em La Paz nos minutos finais. Garante um pouco de ar aos são-paulinos, apesar da evidente dificuldade do time em conseguir respirar.

VEJA TAMBÉM: Em meio ao pesadelo do São Paulo, Chumacero teve outra partidaça contra brasileiros

Paulo Henrique Ganso terminou como protagonista na Venezuela, outra vez. Mas se o camisa 10 buscou o empate e encabeçou as melhores oportunidades da equipe, também desperdiçou a chance da virada, cobrando pênalti no travessão. Por fim, em segundo tempo agônico para o Tricolor, o placar poderia ter pendido para qualquer um dos lados, com os lances perdidos nos últimos minutos pelos venezuelanos e pelos brasileiros.

Por sorte, o carrasco Alejandro Chumacero deu uma ajuda ao São Paulo em La Paz. Depois que Rodrigo Mora havia aberto o placar com belo gol de voleio, o meio-campista garantiu o 1 a 1 no marcador também com um bonito tento, aproveitando trama coletiva antes de finalizar com categoria. Ao invés de ver o River desgarrar, os são-paulinos contaram com dois pontos perdidos pelos principais rivais. Os bolivianos aparecem na liderança, com sete pontos, dois a mais que os argentinos. Enquanto isso, o Tricolor soma apenas dois.

Na frieza dos números, o São Paulo ainda depende apenas de si – o que, pelas atuações ruins, não é necessariamente algo animador. O empate na Venezuela aumenta a obrigação de fazer os resultados em casa nos dois próximos compromissos. Contra o Trujillanos, a necessidade será melhorar o saldo de gols, considerando que o River Plate goleou por 4 a 0 na Venezuela. Já a hora da verdade acontece na quinta rodada, quando o time recebe os Millonarios no Morumbi – já sabendo do resultado de Trujillanos x Strongest. Momento de buscar um resultado de peso para chegar motivado à rodada decisiva em La Paz, talvez precisando apenas de um empate. Ou de aumentar a pressão, tendo que buscar o triunfo na altitude para evitar a eliminação precoce.