Presidente da Football Association, David Bernstein condenou as atitudes de John Terry no caso de racismo contra Anton Ferdinand. Segundo o dirigente, posturas como a do zagueiro do Chelsea mancham a imagem do futebol inglês e vão na contramão do trabalho feito para eliminar a discriminação do esporte.

“A decisão de John Terry em não apelar por sua punição na FA traz esperanças em um período difícil para o jogo na Inglaterra, no qual a reputação do futebol no país vem sendo danificada. É uma vergonha que um incidente de alto nível tenha este impacto. Porém, este evento isolado não deve encobrir os esforços por igualdade e inclusão”, afirmou.

Absolvido pela justiça civil, Terry foi punido pela FA com quatro jogos de suspensão e multa de € 260 mil. O defensor também foi sancionado pelo Chelsea por conta do caso, em pena não divulgada pelo clube. Por conta das rusgas com a federação, o zagueiro anunciou a aposentadoria da seleção no fim de setembro.

Bernstein também comentou as acusações feitas por Danny Rose, que foi vítima de racismo em partida com a seleção sub-21: “O dano deste caso na é irreparável, mas os eventos nessa semana mostraram que ainda existem várias lições a serem aprendidas na luta contra o racismo e as discriminações. Nenhum jogador pode sofrer um abuso intolerável como o que Danny Rose sofreu na Sérvia”.