A Real Sociedad sai em vantagem nas semifinais da Copa do Rei, mas sua vitória na partida de ida não intimida o ousado Mirandés. O clube da segunda divisão, grande surpresa do torneio, fez uma ótima apresentação em Anoeta. Equilibrou o embate contra os adversários da elite e, mais do que isso, conseguiu ser melhor em partes do jogo. Os bascos abriram o placar com uma ajudinha do árbitro e deram sorte de, após tomarem o empate dos visitantes, recuperarem a dianteira de imediato. O triunfo por 2 a 1 favorece os txuri-urdin, é claro. Mas os Rojillos sustentam as esperanças antes do reencontro em Miranda de Ebro.

A Real Sociedad carregava o favoritismo consigo. No entanto, desde as primeiras movimentações, o Mirandés também emulou ser um time da primeira divisão. Os Rojillos marcavam de maneira agressiva e atacavam com velocidade, tratando bem a bola. Deram um susto logo de cara, em arremate de Martín Merquelanz que o goleiro Álex Remiro espalmou. Mas, apesar do susto, a Real ganharia a vantagem aos nove minutos. O árbitro anotou um pênalti discutível para os txuri-urdin, sobre Portu. Mikel Oyarzabal bateu com muita calma e apenas deslocou o goleiro Limones.

Não seria o gol a amedrontar o Mirandés. Pelo contrário, os visitantes eram mais felizes em sua estratégia, num embate intenso. A pressão alta dos Rojillos dificultava à Real Sociedad, enquanto as investidas pelo lado esquerdo eram um incômodo constante. Merquelanz era bastante acionado, mas logo apareceria também Matheus Aiás, o artilheiro do time na Copa do Rei. E o brasileiro empatou aos 38. Mickaël Malsa roubou a bola e acionou o companheiro. Matheus, então, apresentou suas credenciais como centroavante ao dar um corte seco no marcador e chutar. O tiro saiu mascado, mas suficiente para sair do alcance de Álex Remiro.

A Real Sociedad, que não tinha feito muito além do gol de pênalti, acordou depois disso. E sua sorte é que o segundo tento veio na sequência, aos 43. Martin Odegaard e Portu pararam em duas ótimas defesas de Limones, mas o norueguês aproveitou o segundo rebote do goleiro e conseguiu guardar. Era um banho de água fria no Mirandés, que não merecia a derrota parcial rumo ao intervalo – muito longe disso, aliás.

Os dez minutos iniciais do segundo tempo seguiram intensos. Remiro precisaria trabalhar com duas defesas, mas Limones faria ainda melhor, ao espalmar um chute de Portu no mano a mano. A Real Sociedad dominava mais a posse de bola, tentando acelerar quando chegava aos arredores da área. Já o Mirandés confiava em seu potencial para igualar o placar em uma bola, ainda com muita agressividade.

Com o passar do tempo, porém, os times ficaram mais precavidos. O duelo permaneceu travado no meio, sem chances tão claras. Os técnicos acionavam seus reservas, com direito à entrada de Willian José no lugar de Alexander Isak. Matheus também deixou o campo no Mirandés para a participação de outro brasileiro, Maranhão, emprestado pelo Valladolid. E os Rojillos sentiam um pouco mais o desgaste. Na reta final, a Real Sociedad era um pouco mais ativa, mas nada suficiente para ampliar a vantagem. No último lance, Limones faria uma defesaça para evitar um gol contra.

O reencontro entre Real Sociedad e Mirandés acontece no início de março. E os bascos devem ter consciência de como é difícil jogar no Estádio Municipal de Anduva. O Mirandés não perde como mandante desde agosto e, nesta Copa do Rei, derrotou três adversários da primeira divisão por lá – os dois últimos, Sevilla e Villarreal, com uma diferença de dois gols no placar. Mais do que ímpeto, os Rojillos também possuem um time bem montado pelo técnico Andoni Iraola. A exibição em Anoeta indicou que a façanha segue ao alcance dos pequeninos.