David Silva deixou o Manchester City como uma figura tão lendária que, nesta segunda-feira, o clube anunciou seus planos para transformá-lo em estátua diante do Estádio Etihad – ao lado de Vincent Kompany. Durante dez anos vestindo a camisa celeste, o meio-campista viveu a plena transformação dos Citizens: acumulou 14 títulos, além de 436 aparições. O adeus não veio da melhor forma, com a eliminação na Champions League, mas a imagem do ídolo está acima da frustração. Não significaria, porém, uma despedida definitiva do futebol. E o novo destino do veterano de 34 anos acabou revelado também nesta segunda: defenderá a Real Sociedad.

Ao longo dos últimos meses, quando anunciou que este era seu último ano no Manchester City, David Silva indicou que preferia atuar em uma liga competitiva. Assim, os destinos fora da Europa estava descartados. O Las Palmas de sua terra natal deixou de ser uma opção na segunda divisão, assim como o Valencia onde se formou, por toda a bagunça no Mestalla. Durante os últimos dias, os rumores de uma mudança à Lazio pareciam mais fortes. Todavia, o meia preferiu voltar mesmo à Espanha e assinou com a Real Sociedad. Torna mais forte uma equipe que vem de boa temporada e estará na próxima Liga Europa.

David Silva chega à Real Sociedad com vínculo de dois anos e sem custos. Estava sem contrato desde que deixou o Manchester City, o que facilitou na escolha de seu destino. O meia abraçou o projeto europeu apresentado pelos txuri-urdin e sabe que atuará em uma equipe com características ofensivas, como ficou bem claro no trabalho de Imanol Alguacil durante os últimos meses. Além disso, poderá auxiliar no desenvolvimento de vários jovens em Anoeta. Seu ex-companheiro de seleção, Xabi Alonso é o atual treinador do segundo quadro. A escolha de Silva é plenamente compreensível por este ambiente.

Para a Real Sociedad, o ganho é tremendo, até mesmo pensando na reposição de Martin Odegaard. Principal jogador dos txuri-urdin na última temporada, o meia voltará ao Real Madrid e deixaria uma lacuna na equipe titular. O substituto é ainda mais tarimbado e mais técnico. David Silva leva a camisa 21, que foi do norueguês ao longo do último ano e que também é seu número favorito. Certamente a farda continuará como uma campeã de vendas no País Basco, sobretudo se a ascensão do clube continuar.

Antes de seus dez anos de Manchester City, David Silva defendeu o Eibar e o Celta em empréstimos, até realmente brilhar com a camisa do Valencia. Foram quatro temporadas no Mestalla, com 119 partidas disputadas por La Liga e um título na Copa do Rei. Os valencianos também o catapultaram à seleção espanhola, ainda defendendo o clube nas conquistas da Euro 2008 e da Copa de 2010 – titular na primeira delas. Então, transferiu-se à Inglaterra. Aos 34 anos, o meia retorna como um dos maiores jogadores do país nos últimos 15 anos e com lenha para queimar. Daqueles negócios que jogam mais luz ao bom trabalho da Real e que gerarão um interesse maior pelos jogos do time.