O Meu Time de Botão é um podcast da Central 3, nossa parceira no podcast semanal da Trivela, que traz um convidado para falar sobre um time que marcou a sua vida. Todas as edições podem ser vistas aqui

O Nacional de Medellin, agora bicampeão da Libertadores, trouxe a primeira taça da história da Colômbia para sua cidade embrulhada em uma trama de fatos curiosos e controversos. Medellín vivia uma época dolorida e o país todo sofria com a influência do poder do tráfico e a insegurança que tirou, entre outros motivos, a Copa do Mundo de 1986 daquele país. Pablo Escobar, o mais conhecido dos criminosos colombianos, tinha ligação direta com os verdolagas e salpicou a campanha do clube na Libertadores com surrealismo. Esta campanha de 1989 foi o tema do Meu Time de Botão desta semana, produzido pela Central 3 e apresentado por Leandro Iamin, Paulo Júnior e Matias Pinto.

Francisco Maturana chegou em Medellin dois anos antes, graças ao bom trabalho feito no Once Caldas. Seria ele o respnsável por organizar um elenco com ótimos jogadores, não por acaso a base da seleção colombiana na Copa de 90, na qual ele mesmo foi o técnico. Perea e Escobar na zaga, Higuita no gol, Alvarez e Arango na meia, Usuriaga e Trellez no ataque. Uma espinha dorsal promissora, que jogava futebol ofensivo mas, no primeiro turno da taça, acumulou 3 empates. Com a derrota para os Millonários na abertura do returno, precisava vencer para avançar. Conseguiu, e ganhou o direito de enfrentar o Racing de Rubem Paz, Fillol e Olarticoechea nas oitavas.

A história que mais ressoa entre os rivais, no entanto, está nas quartas, em novo duelo com o Millonários. O time de Bogotá chora até hoje uma arbitragem que julgam muito mais danosa do que aquela que ajudou a eliminar o São Paulo em 2016, por exemplo. Muitos anos depois, o bandeirinha da semifinal contra o Danúbio contou ao El Gráfico uma história envolvendo metralhadoras, sacos de dinheiro, invasão de quarto de hotel e ameaças antes da partida que definiria o finalista. Isto deu a certeza aos torcedores dos Millos de que havia algo de podre no ar. A semifinal, no entanto, sem ajuda de arbitragem, foi 6×0 e ratificou a qualidade técnica daquela equipe.

Na final, contra o Olímpica, o jogo teve de sair de Medellin, a trama política foi forte desde o jogo de ida, e Higuita defendeu simplesmente quatro pênaltis. Toda essa história, passando também pelos assassinatos de Escobar e Usuriaga, duas estrelas carismáticas deste campeão, está disponível no mp3 abaixo, que você pode fazer download ou ouvir clicando no player.