O futebol inglês trará uma novidade peculiar a partir da próxima temporada. As cinco principais ligas nacionais do país, a Copa da Inglaterra e a Copa da Liga Inglesa começarão a aplicar cartões amarelos e vermelhos também para os treinadores à beira do campo. A ideia é referendada pelas principais entidades do esporte local e tem o apoio da International Board. A intenção é notar um “comportamento mais exemplar” dos técnicos e coibir aqueles que costumam reclamar exageradamente com frequência.

A Premier League, a Football League, a National League e a Football Association desejam ir além das advertências verbais para punir o que chamam de “comportamento irresponsável”. Os cartões deverão funcionar como já acontece aos jogadores. Um amarelo sinalizará a advertência e dois realizarão a expulsão, enquanto o vermelho direto também poderá ser mostrado. Além disso, enquanto as expulsões resultarão na suspensão a uma partida, os amarelos acumulados também se converterão em penas.

Quatro amarelos em partidas diferentes deverão gerar a suspensão de uma rodada. Já 12 ocasionariam uma suspensão de três jogos. Por fim, 16 levariam o comandante em questão ao comitê disciplinar da FA, sob o risco de multas e outras ações. Contudo, os dirigentes prometem uma “anistia” para evitar que os técnicos percam jogos importantes ao final da temporada, especialmente nos mata-matas das copas e dos playoffs de acesso.

Será preciso determinar quais os critérios na aplicação dos cartões, mas eles devem manter o que já ocorre atualmente, quando os treinadores são advertidos pelos árbitros por seus comportamentos. As reclamações excessivas e outros gestos intempestivos serão alvo. Além disso, os treinadores se tornarão responsáveis também pelo comportamento da comissão técnica, correndo o risco de receberem cartões por atitudes de outros funcionários do clube, como assistentes e médicos.

Diretor-executivo da Football League, Shaun Harvey comentou a decisão: “Sempre houve um procedimento disciplinar para lidar com o comportamento no banco, mas a menos que você fosse o técnico ou o árbitro, nunca ficava claro o que estava acontecendo. Fazendo desta maneira, a torcida terá mais noção do que acontece. O técnico será ainda o responsável pela conduta do banco, e isso acaba com algo que aconteceu por vários anos: ele vai para cima do árbitro e, quando o percebe se aproximar, deixa o assistente tomar à frente. No último ano, estávamos conversando sobre como melhorar a situação. Não é criar um drama. A intenção é garantir que o comportamento não piore mais. O futebol profissional forma opinião e é isso que as pessoas observam”.

Já o árbitro Mark Clattenburg, atualmente trabalhando para a federação saudita, recebeu positivamente a notícia: “O uso dos cartões aumentará a transparência sobre as ações do árbitro. Dada a pressão de ser um técnico e as emoções que isso provoca, não tenho certeza se isso funcionará para coibir. Os jogadores, por exemplo, continuam protestando e colocam pressão sobre os árbitros, mesmo que possam ser advertidos. Mas será interessante notar os resultados, especialmente se os treinadores começarem a ser mais gentis”. Os resultados ficam para o campo.


Os comentários estão desativados.