A Copa da Ásia se tornou realidade à Palestina há duas décadas. Reconhecida pela AFC, a seleção local passou a disputar as eliminatórias do torneio continental a partir de 2000. Já em 2014, a conquista da AFC Challenge Cup, competição dedicada a equipes emergentes da Ásia, representou um feito e tanto. Além da taça, os palestinos ganharam o direito de disputar a Copa da Ásia pela primeira vez em 2015. Saíram da fase de grupos com três derrotas, mas também com a certeza de que o futuro poderia ser promissor. E, classificados novamente, os Leões de Canaã precisaram de um jogo na atual edição para conquistar seu primeiro ponto. Tiveram dificuldades contra a Síria e passaram os 20 minutos finais com um a menos. Ainda assim, seguraram o 0 a 0 no placar.

Tanto Síria quanto Palestina enfrentam realidades bastante delicadas, determinadas pelos conflitos em seus territórios. Ambos sequer costumam disputar seus jogos por eliminatórias diante da torcida. A Guerra da Síria criou cisões dentro do próprio elenco e atrapalhou as convocações, embora a maior parte dos jogadores defenda clubes do exterior. Enquanto isso, a divisão entre Cisjordânia e Faixa de Gaza também atravanca o desenvolvimento do futebol palestino. Não à toa, nos últimos tempos, a federação passou a recorrer aos descendentes palestinos espalhados por diversos países – algo que explica a ascensão recente. E o significado do jogo deste domingo foi perceptível na entrada em campo. Durante os hinos nacionais, a emoção era visível em alguns jogadores, enquanto enormes bandeiras das nações tremulavam nas tribunas.

 

Após a excelente campanha nas Eliminatórias da Copa de 2018, quando ficou a um triz de eliminar a Austrália na repescagem, a Síria era favorita ao jogo. E demonstrou isso desde o primeiro tempo, dominando a posse de bola. Contudo, a Palestina conseguia se fechar e não cedeu tantos espaços aos sírios. As melhores chances da equipe se concentraram em Omar Kharbin, eleito o melhor jogador do futebol asiático em 2017. Só que os palestinos se desdobraram e evitaram o tento do camisa 7. Abdullah Jaber chegou a tirar uma bola em cima da linha, em lance no qual o goleiro Rami Hamadeh falhou. Em compensação, o arqueiro se redimiria com uma baita ponte logo depois.

Na volta do intervalo, a Síria tentou aumentar a sua agressividade, vendo o esforço da Palestina aumentar. E a situação aos Leões de Canaã se tornou mais difícil aos 23 minutos, quando Mohammed Saleh recebeu o segundo amarelo, expulso de campo. O “ataque contra defesa” prevaleceu, sem sucesso para os sírios. Se o poderio ofensivo dos favoritos não funcionou, os méritos também são da consistente linha defensiva dos palestinos.

O resultado deixa o Grupo B da Copa da Ásia bastante aberto. A Jordânia surpreendeu ao derrotar a Austrália neste domingo. Desta maneira, as maiores expectativas ficam para o reencontro entre australianos e sírios, numa revanche das Eliminatórias marcada para a terceira rodada. E depois do que se viu, fica claro que os Socceroos também enfrentarão dificuldades para romper a zaga da Palestina, no próximo encontro de ambos os times.


Os comentários estão desativados.