Dentre as arrastadas novelas da janela de transferências, a saída de Mauro Icardi foi a que mais se aproximou do enredo de um dramalhão mexicano. Ao longo dos últimos meses, os nerazzurri se mostraram dispostos a vender o antigo capitão, mas finalizar a transação não foi tão simples assim. O argentino, por outro lado, até esboçou a intenção de seguir no San Siro e, durante o final de semana, entrou com um processo contra o clube. A situação limítrofe dependia de uma solução rápida. E, mesmo que não seja definitiva, leva o entrave a outro canto. Incontestavelmente, o empréstimo de Icardi pode representar um ganho ao Paris Saint-Germain em suas pretensões na Champions League. Porém, será mais um ego a se gerir nos vestiários parisienses, agora sob a sombra do pai de Neymar e também de Wanda Nara.

Icardi foi um dos jogadores mais especulados do mercado, após seu tumultuado final de temporada em 2018/19. Em meio às negociações de um novo contrato, ele recusou-se a entrar em campo durante uma partida pela Liga Europa em fevereiro e perdeu a braçadeira de capitão. Enquanto o centroavante alegava uma lesão, a equipe médica garantia que ele estava pronto para atuar e o imbróglio se arrastou por semanas, com direito a algumas trocas de farpas públicas. Seu retorno aconteceu em abril e ele ajudou a Inter a se classificar à Liga dos Campeões, mas o clima obviamente não era bom. Durante a intertemporada, Antonio Conte deixou claro que não contava com o argentino, que perdeu a camisa 9 para Romelu Lukaku. A mudança soava como um passo natural, bom para todos os lados.

Ao longo da janela de transferências, a Inter buscou diferentes soluções ao seu problema e vários clubes se aproximaram de Icardi, apesar das confusões que sua esposa / empresária costuma causar. Atlético de Madrid, Manchester United, Juventus, Napoli, Roma, Monaco: a lista de equipes vinculadas ao argentino foi vasta, mas nada que concretizasse o negócio, entre sua recusa a algumas propostas e a falta de acerto em outras. Até parecia que a dor de cabeça persistiria por mais alguns meses aos nerazzurri. O atacante chegou a se fazer de desentendido quanto aos planos de Conte e a apontar que seguiria no elenco para brigar por seu espaço. O desgaste aumentava.

Por fim, a última cena da crise aconteceu no final de semana, quando o atacante resolveu processar a Internazionale por “discriminação” e passou a cobrar €1,5 milhão pela falta de espaço. Em mais uma jogada polêmica, o argentino não queria mais treinar separadamente, e sim participar dos exercícios táticos preparados por Conte. Enquanto os advogados do jogador clamavam que “a questão não tinha a ver com dinheiro”, mas ao desejo de integrar o projeto do time, os nerazzurri garantiam que o caso não possuía base e Antonio Conte negava qualquer preconceito. Já no domingo, Wanda Nara deu o braço a torcer e garantiu que buscaria uma transferência até o final da janela. Se fechasse um acordo, o processo seria retirado.

Foi então que o PSG surgiu como um alívio aos interistas, em nova rodada de interessados que incluiu o Valencia. Os parisienses se prontificaram ao empréstimo de Icardi, embora a Inter preferisse vendê-lo, já que o contrato do jogador possuía validade apenas até junho de 2021. Para atender as demandas dos franceses, a diretoria nerazzurra precisou se sentar à mesa com Wanda Nara e acertar a ampliação do contrato, para não correr o risco de ficar de mãos abanando caso a compra não fosse efetivada pelo PSG ao final da temporada. Depois de longas tratativas durante a madrugada, estendeu-se o contrato com a Inter até junho de 2022.

Então, com o caminho livre, a transação de Icardi rumo ao Paris Saint-Germain finalmente aconteceu. Desta vez o atacante não se opôs ao destino e aceitou a possibilidade de ir aos campeões franceses. Assinou empréstimo de um ano, com uma opção de compra de €70 milhões ao final da temporada. Segundo a Gazzetta dello Sport, o salário estará na casa de €7 milhões anuais, mais bônus. A Internazionale permanece sob o risco de uma nova novela, caso os franceses não queiram contratá-lo em definitivo ao final da cessão. Em compensação, os interistas se livram do problema momentâneo e têm a chance de ver o argentino se valorizar de alguma forma na Ligue 1.

Icardi ainda precisará disputar seu espaço no Parc des Princes. Não parece tão certo que o centroavante ganhará a vaga de titular, com a concorrência de Edinson Cavani, além da permanência de Neymar e do protagonismo de Kylian Mbappé. No momento, ele se junta como uma adição à rotação parisiense, que dá mais estofo ao elenco em sua empreitada na Champions League. Além do mais, serve de carta na manga, diante daquilo que ainda poderá acontecer na janela de inverno com Neymar ou mesmo aos problemas recentes de lesão de Cavani. De certa forma, o novo contratado soa como um luxo ao PSG. Mas um luxo que sabe guardar os seus gols e contribuir bastante à produção ofensiva.

A maior dúvida, de qualquer maneira, fica para a relação que se construirá nos vestiários. Icardi possui uma lista considerável de problemas de relacionamento e a postura intempestiva de Wanda Nara não o ajuda. Um ano parece pouco para que a relação se apodreça tão rápido, mas não se duvida ao se pensar no ambiente que já existe no PSG, após a guerra de egos ter atrapalhado substancialmente as empreitadas recentes. Nos últimos tempos, as notícias ao redor do clube se concentram mais no extracampo do que propriamente no futebol, e o argentino é um pouco mais de lenha nesta fogueira de vaidades.

A relação precisará ser construída aos poucos. E, pelo menos neste primeiro momento, Icardi preferiu manter a humildade em sua apresentação. “Gostaria de agradecer ao PSG pela confiança que demonstrou em mim. Darei tudo para ajudar minha nova equipe a chegar o mais longe possível em todas as competições. O PSG se tornou uma potência do futebol internacional, atraindo alguns dos maiores jogadores durante os últimos anos. O momento em Paris é forte, as ambições são altas e estou certo que temos tudo para ir ainda mais longe. Estou ansioso para jogar no Parc des Princes, um estádio famoso por sua beleza e paixão”, declarou o argentino.

A mera disposição de Icardi serve como um sinal positivo ao Paris Saint-Germain. Há outros fatores a se alinhar, como a relação com os novos companheiros e a própria recepção da torcida – que certamente já está insatisfeita com a permanência de Neymar. Ainda assim, é o reforço mais midiático do clube em uma janela na qual preferiram mais moderação. Ao lado de adições como Keylor Navas, Abdou Diallo, Idrissa Gana Gueye, Ander Herrera e Pablo Sarabia, o novo contratado ajuda o elenco a se tornar mais completo. Bola não falta para o centroavante vingar, mesmo que não seja imprescindível ao ataque. O problema é fugir dos outros tipos de entraves que costuma causar, numa trajetória que possui tanta aptidão aos gols quanto aos tumultos.