Uma névoa segue envolvendo o futuro da segunda divisão do Campeonato Espanhol e a indefinição sobre o torneio se arrasta. Não há qualquer certeza se a partida entre Deportivo de La Coruña x Fuenlabrada, adiada por conta dos casos de coronavírus no clube madrileno, realmente acontecerá. Isso trava a disputa dos playoffs de acesso, nos quais o Fuenlabrada poderia ou não estar envolvido. Paralelamente, o descenso pode ser revogado. A federação espanhola solicitou que, excepcionalmente, a próxima edição da segundona tenha 24 times. Analisa que a última rodada foi afetada pelo adiamento do duelo, que culminou na queda do Depor. E nem assim todos estão satisfeitos.

Juiz instrutor do Comitê de Competição da Federação, Ricardo Esteban Díaz orientava que o jogo entre Deportivo e Fuenlabrada se desse por perdido, com vitória dos galegos, diante dos indícios de má conduta do clube madrileno sobre os casos de coronavírus. Com isso, os playoffs de acesso aconteceriam com a presença do Elche, único que pode ser ultrapassado pelo Fuenlabrada. Todavia, o próprio Comitê de Competição rechaçou tal proposta por analisar que não há evidências suficientes neste momento e que isso causaria um “prejuízo irreparável” a partir de uma medida provisória.

Assim, prevalece uma incerteza imensa sobre qual o procedimento. A maior parte da delegação do Fuenlabrada voltou a Madri, após passar as duas últimas semanas confinada em um hotel de A Coruña, cumprindo quarentena. O clube não dá como perdida sua situação na segundona e pleiteia sua chance de tentar alcançar a zona dos playoffs, embora La Liga também defenda sua eliminação. O Elche se afirma o “maior prejudicado”, sem saber se poderá jogar ou se corre o risco de tirar férias antecipadas. Enquanto isso, existe a possibilidade até mesmo de que o Zaragoza suba direto sem playoffs, após terminar na terceira colocação – o que geraria mais reclamações do quarto ao sexto colocado.

Na parte inferior da tabela, também não há conforto. O Deportivo segue com seus planos de acionar a justiça comum e se afirma prejudicado pelo adiamento do jogo – mesmo que, a esta altura, não evite o descenso até se ganhar do Fuenlabrada. A federação concorda com os galegos e, por isso, enviou uma carta para que La Liga considere uma segundona com 24 times em 2020/21. Além do Depor, o Numancia também evitaria seu rebaixamento, outro a ter caído na bagunçada última rodada. Desta maneira, a proposta da entidade é que seis equipes sejam rebaixadas e apenas quatro subam da terceirona na próxima edição.

O detalhe é que, com isso, Racing de Santander e Extremadura já querem forçar uma segunda divisão com 26 times. Ambos também foram rebaixados nesta temporada, por antecipação. Não tinham como se salvar na última rodada. Segundo os dois clubes, é preciso haver igualdade: assim, ou a segundona manterá 22 clubes e os quatro rebaixamentos, ou então preservará todos juntos no mesmo nível com 26 participantes. Nesta linha, ainda aparece o Rayo Vallecano. Os franjeados tinham chances de disputar os playoffs de acesso e também se dizem afetados pela situação. Querem que os mata-matas sejam realizados com seis equipes, não mais quatro.

Vale dizer ainda que um julgamento contrário ao Fuenlabrada por sua conduta no caso de coronavírus pode resultar em um descenso administrativo. Os madrilenos são acusados por ocultar a situação de seus jogadores, de entidades esportivas e até mesmo das autoridades públicas, o que teria colocado em risco a saúde de todos os envolvidos. Neste cenário, uma vitória do Deportivo poderia deixá-lo à frente do Numancia e evitar seu rebaixamento, com o Fuenlabrada abaixo de ambos. Há denúncias em curso contra o Fuenla, embora uma delas tenha caído nas últimas horas. Os jogadores do Fuenlabrada também tendem a denunciar o clube à associação de atletas profissionais, pela maneira como foram expostos ao vírus.

Certo é que a urgência ao redor do episódio é imensa. Clubes que poderiam estar de férias não estão e clubes que deveriam estar decidindo o acesso ficam à mercê do impasse. O atraso nos playoffs pode atropelar toda a temporada do futebol espanhol, visto que a elite de La Liga começará a partir de 12 de setembro. E isso acontece em um momento no qual os casos de coronavírus na Espanha, e nos próprios clubes espanhóis, voltam a aumentar.