A noite intransponível de Walter deu alívio ao Corinthians e alimenta o debate sobre a meta alvinegra

O Corinthians buscou uma vitória para lavar a alma na Arena da Baixada. Depois de semanas tão difíceis, os alvinegros saíram da zona de rebaixamento com um triunfo arrancado na unha. Não foi uma partida de encher os olhos na estreia de Vágner Mancini – muito pelo contrário, o Athletico Paranaense teve inúmeras chances de abrir o placar. Mas, se foi possível comemorar o gol decisivo de Everaldo aos 50 do segundo tempo, Walter tem grande parte nisso. O arqueiro fechou o gol, especialmente na etapa complementar, e foi o herói na vitória por 1 a 0.

Num momento em que Cássio é questionado na meta do Corinthians, a aparição de Walter se torna bastante oportuna. Não se nega a grandeza de Cássio aos alvinegros e sua importância histórica. Porém, os vacilos frequentes mostram como o arqueiro não é intocável. Ainda que algumas críticas soem exageradas, a discussão é pertinente. Cássio costuma crescer em jogos decisivos, mas as vulnerabilidades ficam expostas neste Brasileirão. E, diante de sua suspensão, Walter fez a diferença.

A própria idolatria a Cássio restringe as chances a Walter, que já pôde se mostrar um bom goleiro em diversas oportunidades. Entre os melhores reservas do país, o camisa 27 teve sua saída especulada algumas vezes, mas permaneceu no Parque São Jorge. Na maior parte das vezes em que precisou atuar, o substituto correspondeu. Mesmo assim, o nível de desempenho nesta quarta-feira pareceu deixá-lo um passo à frente de Cássio no momento.

Num primeiro tempo mais contido e de muitos erros dos times, Walter já cresceria na meta do Corinthians. Mateus Vital até fez Jandrei trabalhar primeiro do outro lado, mas o goleiro alvinegro evitaria o gol do Athletico. Seriam três boas intervenções de Walter na etapa inicial, brecando os arremates de Geuvânio, Erick e Christian. O segundo tempo, ainda assim, guardaria chances mais claras ao Furacão. E os méritos por segurar o zero no placar seriam totais do arqueiro corintiano.

Depois de negar o gol a Geuvânio mais uma vez, Walter realizou uma defesaça em chute de Ravanelli. O tiro seguia ao canto e o goleiro se esticou todo para desviar com a ponta dos dedos. Mas nada comparado ao milagre diante de Renato Kayzer aos 15. Depois de um lindo passe de calcanhar de Geuvânio, o atacante avançou totalmente livre e pôde escolher o que fazer diante do gol. Mirou o canto e bateu. Walter esperou e saltou para salvar a pele dos alvinegros. Certamente uma das defesas mais bonitas deste Brasileirão, por sua plasticidade e por sua dificuldade.

O Corinthians só começou a responder no segundo tempo depois disso, com a melhor chance em cabeçada de Fágner para fora. No entanto, aos 30, a expulsão de Bruno Méndez por agressão deixava os paulistas em maus lençóis. O Athletico tentou pressionar e mais uma vez Geuvânio seria frustrado por Walter. Mas não foi suficiente à vitória e, nos acréscimos, um contra-ataque valeu a explosão dos corintianos. Xavier brigou pelo passe e Everaldo apareceu no limite do impedimento para receber a bola. Invadiu o bico da área e bateu por entre as pernas de Jandrei. Na raça, veio a agônica vitória.

O Corinthians chega aos 18 pontos e deixa a zona de rebaixamento, encerrando a sequência em jejum. Já o Athletico Paranaense acumula quatro partidas sem vencer e ocupa a antepenúltima colocação, no Z-4 com 15 pontos. Foi um jogo no qual o goleiro fez totalmente a diferença. E se há um risco evidente aos corintianos nesta campanha, Mancini deverá considerar a manutenção de um arqueiro que pode garantir pontos tão importantes.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore