Vencer jogando em casa é uma das premissas mais simples do futebol. Qualquer time que tenha ambições altas precisa saber que vencer em casa é sempre fundamental. O México, potência da Concacaf, tem sofrido para fazer valer a sua força em casa no continente nas eliminatórias. Nesta terça-feira, mais uma vez o time ficou no 0 a 0 jogando no histórico e tradicional estádio Azteca. O quinto empate em seis jogos nesta fase da competição.

Foi o quarto 0 a 0 no estádio nessa fase final, o terceiro em casa. A classificação à Copa do Mundo está longe de ficar ameaçada, mas a falta de gols preocupa. Foi mais uma atuação que o time ficou devendo e a torcida, uma das mais apaixonadas quando se trata de futebol, tratou de dar o seu recado. O grito de “Fuera, Chepo” eclodiu no Azteca, ecoando pelos quatro cantos de um monumento do futebol. Chepo é Manuel de la Torre, técnico dos mexicanos.

Nem as mudanças promovidas no time por Chepo na escalação melhoraram o time. Ao contrário, foi um jogo ainda pior. A Costa Rica foi quem teve mais oportunidades claras de marcar e o goleiro Jesús Corona foi quem salvou a pátria tricolor. Joel Campbell chegou perto de marcar com um chute na trave. E o empate, pelo futebol jogado, não foi nem tão ruim.

O México chegou a oito pontos, dois a menos que os líderes, Estados Unidos, que venceram mais uma – desta vez o Panamá, 2 a 0. A Costa Rica chegou aos mesmos oito dos mexicanos, mas está na frente pelos gols marcados. Honduras é quarta colocada com sete pontos, seguidas por Panamá, com seis, e Jamaica em último, com dois pontos.

Estados Unidos de Klinsmann aceleram rumo ao Brasil

 

Jozy Altidore comemora com os companheiros o primeiro gol (AP Photo/Ted S. Warren)
Jozy Altidore comemora com os companheiros o primeiro gol (AP Photo/Ted S. Warren)

A boa fase do atacante Jozy Altidore ajudou os Estados Unidos a vencerem mais um jogo. Com os 2 a 0 sobre o Panamá, na noite desta terça-feira, em Seattle. Foi do centroavante o primeiro gol do jogo, antes de Eddie Johnson completar o placar.

O time de Klinsmann tem mostrado evolução no estilo de jogo, indo além da segurança defensiva. As boas trocas de passes melhoraram a construção de jogadas dos americanos e tem sido uma boa arma para tornar o time mais leve e mais perigoso. E em um ambiente onde a torcida abraça o time como Seattle, é ainda mais complicado para um adversário de menor porte como o Panamá ter alguma chance.

A classificação dos americanos para a Copa é praticamente certa. O que Klinsmann tem tentado fazer é aumentar o repertório do time, algo que ele tem conseguido. É difícil saber se o time chegará em melhor fase do que em 2010, quando foi às oitavas de final e acabou surpreendido por Gana, em um jogo onde tinha plenas condições de vencer.