A torcida do Olympique de Marseille secava o Paris Saint-Germain com todas as suas forças neste domingo. A questão não era apenas ver o maior rival conquistando a Champions League. Pior era o risco da façanha dos marselheses, ainda hoje os únicos franceses a terem erguido a Orelhuda, ser igualada pelos parisienses. A rivalidade supera as meras questões esportivas, com um pano de fundo cultural muito forte, e tantas vezes até se desdobrou em violência – mesmo nesta semana, em que a camisa do PSG foi proibida nas ruas de Marselha, antes que a prefeitura voltasse atrás.

No fim das contas, Kingsley Coman fez a fanática massa no sul da França mais feliz. E as cenas da noite na Côte d’Azur são surreais, com muita gente celebrando o título do Bayern – ou melhor, a queda do PSG. Igual ao Marseille, ninguém na França.