A invasão de campo dimensiona a façanha do Shrewsbury, ao forçar o replay contra o Liverpool

O calendário extenuante do Liverpool transformou a Copa da Inglaterra em um respiro neste final de semana. Em uma maratona de jogos que incluiu cinco competições diferentes nos últimos dois meses, os Reds pareciam satisfeitos em poder descansar seus principais jogadores contra o pequeno Shrewsbury Town, 16° colocado na terceira divisão. Entretanto, o expressinho escalado por Jürgen Klopp não deu conta do recado. E a grande história é a maneira como os pequeninos reagiram. Após os favoritos abrirem dois tentos de vantagem no início do segundo tempo, o Shrewsbury buscou o heroico empate por 2 a 2 no Estádio New Meadow. Um feito tão grande que a torcida invadiu o campo, para celebrar o direito de disputar o replay em Anfield.

Os jogadores mais tarimbados na equipe titular do Liverpool eram aqueles que retornam de lesão – incluindo Joel Matip, Dejan Lovren e Fabinho. A equipe também contava com Adrián, Divock Origi e Takumi Minamino, além de vários garotos. E se não era o time avassalador da Premier League, ao menos dava para confiar em uma vitória contra o frágil adversário. O primeiro gol não demorou a sair. Atacando com velocidade, os Reds saíram em vantagem aos 15 minutos. Lindo passe do espanhol Pedro Chirivella, para Curtis Jones tocar na saída do goleiro.

O Shrewsbury, ainda assim, apresentou suas credenciais em resposta e encontrava espaços aos contra-ataques. Adrián precisou fazer uma defesaça no mano a mano com o atacante Shaun Whalley. O meio-campo do Liverpool perdia bolas e deixava as costas da defesa livres para os Blues avançarem em velocidade. Mesmo assim, logo na volta ao segundo tempo, uma enorme infelicidade de Donald Love aumentou a vantagem dos Reds. Na tentativa de cortar um cruzamento à linha de fundo, o ala escorou contra as próprias redes.

Apesar do golpe moral que o gol poderia representar, o Shrewsbury Town reergueu seus ânimos rapidamente. Aos 12 minutos, Callum Lang foi lançado em profundidade e voltou a exigir outra defesaça de Adrián. Já a entrada de Jason Cummings seria essencial aos Blues. A equipe passou a acreditar em suas possibilidades e castigava uma defesa totalmente bagunçada. O primeiro gol dos nanicos veio logo aos 20 minutos, depois que Josh Laurent foi derrubado por Yasser Larouci no limite da área. Cummings se encarregou da cobrança e converteu.

O gol chacoalhou o Liverpool, que passou a arriscar mais as finalizações. Quando Divock Origi chutou de longe, o goleiro Max O’Leary salvou. Isso não queria dizer, entretanto, que os Reds tinham resolvido seus problemas atrás. O Shrewsbury continuava ameaçador e empatou aos 30. A partir de um chutão no goleiro, Cummings passou fácil por Lovren e finalizou no canto. Inclusive, os Blues ainda reclamaram de mais dois pênaltis, que não foram marcados porque dois impedimentos anularam ambos os lances.

Diante da situação extrema, Klopp tentou evitar o replay ao máximo. O treinador acionou Mohamed Salah e Roberto Firmino no banco de reservas. O Liverpool partiu ao abafa, enquanto a defesa dos Blues se desdobravam para evitar as chances. O’Leary realizou duas grandes defesas, embora Salah tenha desperdiçado a brecha mais clara ao empate, ao errar uma cabeçada na linha da pequena área. Mas não que o Shrewsbury fosse apenas passivo. Adrián teve que buscar no cantinho um chute de Laurent e a bola voltou a pipocar na área. A ameaça foi real. E o empate terminou comemorado como título pela torcida, ao apito final.

A partida extra contra o Shrewsbury na Copa da Inglaterra tende a ser ainda mais prejudicial ao Liverpool, porque deve pegar uma parte da nova pausa de inverno na Inglaterra. Como os Reds já tiveram seu compromisso com o West Ham na Premier League remarcado por conta do Mundial de Clubes, o calendário está congestionado. A maratona se alonga e oferece uma glória aos orgulhosos desafiantes. Se voltar a Anfield será um incômodo a Jürgen Klopp, isso representa uma oportunidade inesquecível à equipe da terceira divisão.