A homenagem a Kopa deu sorte: Depois de 60 anos, Angers volta à final da Copa da França

Clube do noroeste da França rebatizou o estádio em homenagem ao craque e, no local, conquistou duas grandes vitórias para chegar à decisão

Raymond Kopa atuou pelo Angers por apenas duas temporadas, mas o suficiente para ser exaltado como o maior jogador que já passou pelo clube. Revelado em um concurso organizado pela Federação Francesa de Futebol para jovens promessas do país, o descendente de poloneses ficou na segunda colocação. Atraiu o interesse dos alvinegros, que de início prometeram um contrato semi-profissional e um emprego de eletricista ao rapaz de 18 anos, mas, sem o ofício disponível, acabaram por profissionalizá-lo. Kopa defendeu o time por 60 jogos na segunda divisão e marcou 15 gols. Apesar das altas pedidas dos scoïstes para vender seu prodígio, o Stade de Reims cobriu a oferta. Ali se impulsionaria aquele que, segundo eleição da France Football, está entre os três melhores da história da França.

VEJA TAMBÉM: Raymond Kopa deixou ao futebol um legado que foi ainda além de seu grande talento

No último mês de março, o país recebeu com consternação a notícia sobre o falecimento de Kopa, aos 85 anos. E o Angers não demorou a homenagear o talento que lapidou. No dia 27 do mesmo mês, o estádio do clube foi rebatizado. Deixou para trás a alcunha de Jean Bouin (ganhador de duas medalhas olímpicas no atletismo em 1912, mas que não tinha qualquer história atrelada à cidade e que, de qualquer forma, ainda nomeia uma das tribunas) para se chamar Raymond Kopa. E, coincidência ou não, um novo momento de glória surge ao Angers com a mudança. Vencendo duas partidas em casa a partir de então, pelas quartas de final e pelas semifinais, o SCO disputará a sua segunda decisão da Copa da França, a primeira desde 1956/57.

O Angers vive o seu renascimento nos últimos anos. Os momentos de maior estabilidade dos alvinegros na elite aconteceram pouco depois da venda de Kopa. Estrearam na primeira divisão em 1956/57, mesma temporada em que perderam a final da Copa da França para o Toulouse. Até 1981, se ausentaram da elite em apenas três temporadas, conquistando o acesso imediatamente depois dos rebaixamentos neste intervalo. Mas, desde então, a crise afetou o clube em cheio. Voltou à Ligue 1 apenas em 1993/94, chegando a passar oito temporadas na terceira divisão a partir de 1996, em três períodos distintos.

A guinada do Angers começa em 2011, com a chegada do argelino Saïd Chabane, empresário do ramo agrícola. Contando com a reorganização de sua estrutura, a equipe passou a fazer campanhas dignas na Ligue 2, até carimbar o retorno à elite após 21 anos de espera, em 2014/15. Já na temporada de volta, o desempenho surpreendeu positivamente. Se muitos aguardavam a queda dos alvinegros, o time permaneceu na zona de classificação à Liga dos Campeões até o início do segundo turno. Não manteve o ritmo, mas a nona colocação ao final da competição foi bastante honrosa. Já na atual edição da Ligue 1, tem tudo para se manter na primeira divisão, atualmente em 14°.

Paralelamente, o Angers viveu outras duas grandes campanhas na Copa da França nesta década. Em 2010/11, o time bateu nas semifinais, caindo diante do Paris Saint-Germain. Repetiu a dose em 2013/14, barrado pelo Rennes. Até dar o passo além na atual temporada. Derrubou Granville, Caen e Bastia nas fases iniciais. Nas quartas de final, teve o gosto de eliminar o Bordeaux no já renomeado Estádio Raymond Kopa, por 1 a 0. Curiosamente, os girondinos já tinham sido vítimas dos alvinegros no torneio durante as epopeias de 1956/57 e 2010/11.

Já nesta quarta, o triunfo aconteceu ante do Guingamp, algoz do Rennes na final de 2014. A partida emocionante no Raymond Kopa teve o placar aberto aos 38 minutos, com Thomas Mangani deixando os anfitriões em vantagem. Jimmy Briand poderia ter empatado, mas o goleiro Alexandre Letellier pegou um pênalti aos 43 do segundo tempo, em bola que ainda bateu na trave. Já nos acréscimos, Karl Toko Ekambi garantiu a vitória por 2 a 0 em um contra-ataque. Proporcionou uma grande comemoração à cidade de 150 mil habitantes, no noroeste da França.

Muito provavelmente o Angers será presa fácil na decisão. Monaco e Paris Saint-Germain se digladiam nesta quarta para saber quem será o outro finalista da Copa da França. De qualquer forma, o orgulho dos alvinegros pela ótima história já está concretizado. E, de quebra, honrando a memória de Kopa em um momento tão importante. O velho craque dos Bleus certamente se sentiria satisfeito.