Holanda e Canadá fizeram nesta quinta-feira o duelo mais esperado do Grupo E da Copa do Mundo Feminina. Com 100% de aproveitamento até então, as duas equipes disputavam a liderança. Melhor à Holanda, confirmando as expectativas após o título europeu de 2017. A Oranje foi superior na maior parte do tempo e, quando as adversárias buscavam sua reação, teve forças para confirmar a vitória por 2 a 1. As holandesas somam nove pontos, pegando o Japão nas oitavas de final. Já as canadenses aguardam as vice-líderes do Grupo F, EUA ou Suécia.

Um Canadá limitado durante o primeiro tempo

A estratégia da seleção canadense era clara. A equipe jogava a partir de bolas longas rumo ao ataque – e rumo à craque Christine Sinclair. Porém, pouco a equipe conseguiu construir. Chegou a ter um pênalti marcado logo no primeiro minuto, revertido em falta fora da área após a conferência ao VAR, assim como um tento foi bem anulado por impedimento. Mas era uma atuação abaixo do esperado, especialmente por carências técnicas.

A blitz da Holanda antes do intervalo

Com mais volume de jogo, a Holanda foi superior nos 45 minutos iniciais. E criou várias oportunidades, lamentando o pouco que faltou para o gol sair. O melhor momento aconteceu por volta dos 30 minutos. Van de Sanden quase encobriu a goleira Labbé em cruzamento fechado. Pouco depois, Miedema apareceu e carimbou a trave canadense, em chute rasteiro que tinha endereço. E ainda houve uma bicicleta de Van de Donk, que saiu com muito perigo para fora. As holandesas atuavam com velocidade e apresentavam sua superioridade.

O merecido gol e a resposta imediata

A Holanda manteve o bom momento na volta para o segundo tempo e abriu o placar logo aos nove minutos. Após cobrança de falta levantada na área, a zagueira Dekker desviou com o ombro e venceu a goleira Labbé. O tento acordou o Canadá, que não demorou a responder, com um bom ataque neutralizado por impedimento. Já aos 15, saiu o empate. Lawrence deu um cruzamento perfeito, para a veterana Sinclair emendar rumo às redes. Foi o quinto Mundial no qual a artilheira marcou, igualando marca histórica antes exclusiva a Marta. O cenário virou neste momento, com as canadenses ganhando confiança.

A Holanda retoma a dianteira

O Canadá parecia mais preparado à virada no segundo tempo. Adotou uma postura mais ofensiva, se postando no campo de ataque e criando perigo, apesar da saída da já cansada Sinclair. Contudo, a Holanda alcançaria ao segundo gol antes, aos 30 minutos. Beerensteyn fez uma jogadaça pelo lado esquerdo, enfileirando as marcadoras e impulsionando sua equipe. A bola girou até a direita e, quando Miedema cruzou, a própria Beerensteyn apareceu na área para concluir. Balançou as redes somente cinco minutos depois de sair do banco. Já nos instantes finais, a partida ficou mais corrida e bem jogada, com poucas oportunidades claras. Na melhor delas, Beckie poderia ter empatado ao Canadá, mas não pegou em cheio sua cabeçada na bola. Com mais bola, a Oranje era a merecida líder.

Ficha técnica

Holanda 2×1 Canadá

Local: Estádio Auguste Delaune, em Reims (FRA)
Árbitra: Stéphanie Frappart (FRA)
Gols: Anouk Dekker, aos 9’/2T; Christine Sinclair, aos 15’/2T; Lineth Beerensteyn, aos 30’/2T.
Cartões amarelos: Roord, Dekker (Holanda); Quinn, Buchanan (Canadá)
Cartões vermelhos: Nenhum

Holanda: Sari van Veenendaal, Desiree van Lunteren, Anouk Dekker, Dominique Bloodworth, Merel van Dongen; Sherida Spitse (Jill Roord), Danielle van de Donk, Jackie Groenen; Shanice van de Sanden (Renate Jansen), Vivianne Miedema, Lieke Martens (Lineth Beerensteyn). Técnica: Sarina Wiegman.

Canadá: Stephanie Labbe, Ashley Lawrence, Kadeisha Buchanan, Shelina Zadorsky, Allysha Chapman (Jayde Riviere); Jessie Fleming, Desiree Scott (Rebecca Quinn), Sophie Schmidt; Jordyn Huitema, Christine Sinclair (Adriana Leon), Janine Beckie. Técnico: Kenneth Heiner-Moller.