A França iniciou a Copa do Mundo Feminina de maneira dominante. Diante do clima especial criado pela cerimônia inaugural do torneio, as Bleues deram mais um motivo para a festa em Paris. As anfitriãs não tiveram problemas para golear a Coreia do Sul por 4 a 0, com uma atuação especialmente contundente no primeiro tempo. As cabeçadas da zagueira Wendie Renard e as infiltrações da atacante Eugenie Le Sommer foram essenciais à equipe da casa, enquanto a capitã Amandine Henry comandou o massacre no meio-campo. Foi uma partidaça das francesas, que sublinham o seu favoritismo na competição.

França mostra quem manda

O início da partida contou com uma postura insaciável da seleção francesa. O time partiu para a pressão e criou diversas chances no ataque, explorando principalmente os espaços pelas pontas. Após duas boas chances, o primeiro gol saiu aos oito minutos, com a assinatura de Amandine Henry. A meio-campista, protagonista da equipe, se projetou pela direita e fez o cruzamento da linha de fundo. Conectou com Eugénie Le Sommer, que invadiu a área em velocidade e bateu primeira. A goleira Kim Min-jeong tocou na bola, mas não evitou o tento.

Favoritismo sublinhado

Não foi o gol que diminuiu o ritmo da França. A seleção da casa seguiu controlando o jogo de maneira intensa, com posse de bola e presença no campo ofensivo. A impressão era de uma goleada histórica, com a Coreia do Sul apresentando dificuldades para ultrapassar o meio-campo. E foi uma pena que o gol de Griedge Mbock Bathy tenha sido irregular, aos 26. Após a bola ajeitada por Wendie Renard, a companheira de zaga deu uma linda chicotada na bola. Estava centímetros adiantada e, com o auxílio do VAR, o árbitro assinalou o impedimento.

O caminho é pelo alto

Le Sommer quase ampliou a contagem aos 33, em chute defendido pela goleira Kim. Já no final da primeira etapa, a França repetiu a mesma jogada para garantir o resultado: o jogo aéreo em direção à zagueira Wendie Renard. Com 1,87 m, a jogadora do Paris Saint-Germain possui 12 centímetros a mais que a jogadora mais alta da Coreia do Sul – a própria goleira. Não à toa, anotou dois gols de cabeça. Aos 34, a bola veio em escanteio cobrado por Gaëtane Thiney e Renard cabeceou conforme o manual, para baixo. Já nos acréscimos, quando as Bleues diminuíam a pressão, mais uma vez a beque balançou as redes.

Segundo tempo mais frio

Com os três gols de vantagem no placar, a França pôde se tranquilizar em campo. Ainda controlava a partida, mas sem abafar. A Coreia do Sul deu sua primeira finalização aos 23 minutos, em bola que passou por cima da meta. E depois de alguns sustos das sul-coreanas, tentando anotar o gol de honra, as francesas voltaram a acelerar para fechar a contagem. O quarto tento saiu aos 39. Amandine Henry recebeu no meio e bateu com categoria da entrada da área, tirando do alcance da goleira. Vitória contundente das Bleues.

A sequência da competição

O segundo jogo do Grupo A acontece neste sábado, entre Noruega e Nigéria, que se encaram em Reims. A França volta a entrar em campo no dia 12, em Nice, pegando as norueguesas – em duelo possivelmente importante para a primeira colocação. Na mesma data, nigerianas e sul-coreanas complementam a rodada.