O Estrela Vermelha esperou 26 anos para conquistar uma vitória na fase principal da Liga dos Campeões. O último triunfo dos alvirrubros como mandantes, aliás, sequer havia acontecido em casa. Por conta da Guerra da Iugoslávia, os então campeões continentais precisaram disputar seus jogos pela Champions 1991/92 na Hungria e na Bulgária. Todavia, o compromisso desta terça-feira permitiu aos sérvios extravasarem. Como poucos esperavam, o clube de Belgrado desbancou o Liverpool por 2 a 0 no Marakana. Desencadeou uma festa como poucas vezes se sente nas competições continentais pela Europa.

VEJA TAMBÉM: A conta chegou ao Liverpool e, com uma partida gigante, o Estrela Vermelha mereceu a vitória

O espetáculo havia começado durante a entrada das equipes em campo. Um enorme mosaico tomou o anel as arquibancadas do Marakana. A cantoria prevaleceu ao longo dos 90 minutos, exaltando o clube e provocando os adversários. Já o apito final não conteve a euforia dos anfitriões. Os jogadores deram uma volta olímpica na pista de atletismo ao redor do gramado, algo que não acontecia na Champions desde a campanha do título em 1991. Receberam os aplausos da massa, em especial Milan Pavkov, o autor dos gols sobre os ingleses. E como se não bastasse, os ultras sérvios permaneceram no local por cerca de uma hora, ainda comemorando a noite que jamais se esquecerão. Em tempos nos quais a Champions se torna tão frágil, são estes momentos que ajudam a valorizá-la.