A festa de quatro clubes de peso, unidos em um só grito: Que venha a Série C

CSA, Moto Club, São Bento e Volta Redonda foram os grandes destaques do futebol nacional no fim de semana, com o acesso conquistado na Série D

Quatro meses de luta, 260 partidas disputadas no total, 64 times deixados para trás. Neste final de semana, a Série D encerrou uma das mais desgastantes empreitadas do futebol brasileiro com quatro vencedores. Sim, ainda há uma taça a disputar, e os semifinalistas permanecem no sonho por ela. Mas nenhum deles pode negar que o principal objetivo já está conquistado: o degrau subido na pirâmide do Brasileirão, a presença certa na terceirona em 2017, o calendário mais recheado e as chances maiores de investimento. Não à toa, as festas tomaram Maceió, São Luis, Sorocaba e Volta Redonda. Quatro cidades que vivem o futebol em intensidades diferentes, mas com sua relevância no cenário nacional. E com clubes que consumaram o acesso entre sábado e domingo.

VEJA TAMBÉM: Está bonito de ver o envolvimento da torcida do CSA na empreitada rumo à Série C

De todos os clubes, a maior celebração foi encabeçada pelo CSA. Depois da vitória no Novelli Júnior, o Trapichão estava pintado em azul e branco. Se a comoção se iniciou logo na volta do elenco a Maceió, ela ganhou proporções ainda maiores nas arquibancadas, com 16 mil presentes no jogo de volta contra o Ituano. E o Azulão não decepcionou. Cleyton, aos 32 minutos do primeiro tempo, garantiu a vitória por 1 a 0 e sacramentou o retorno do CSA à terceira divisão nacional. Os alagoanos não disputavam a Série C desde 2009.

O triunfo ressalta a escalada do CSA. O maior campeão estadual vive uma seca em Alagoas, combinada com a hegemonia recente do CRB. Mas para quem não estava nem na elite do Alagoano durante o início da década, o feito na Série C é imenso. Garante mais estabilidade para voltar a brigar com os maiores rivais durante o primeiro semestre e sonhar com passos além na sequência do ano. Considerando o tamanho da massa azulina e a capacidade de mobilização ao redor do clube, dá para esperar mais.

moto

Situação parecida vive o Moto Club, outro nordestino a triunfar na Série D. De longe os rubro-negros viam a ascensão do Sampaio Correa, enquanto disputaram a segunda divisão estadual em 2013. Foram três temporadas de fortalecimento do Papão, que culminaram na reconquista do Campeonato Maranhense em maio, após oito anos de jejum. Base mantida também para a glória na competição nacional, sob as ordens de Ruy Scarpino. Os motenses haviam disputado a Série C pela última vez em 2005, e é bem provável que façam o clássico com o Sampaio em 2017.

Dono da pior campanha entre os quadrifinalistas, o Moto sofreu para avançar na fase de grupos e também encontrou sérias dificuldades do início dos mata-matas. No entanto, teve forças para provocar a maior surpresa entre os acessos. O empate por 2 a 2 no Castelão não parecia um resultado tão bom diante do embalado Atlético Acreano, dono do melhor ataque do certame. Mas o Papão aturou a pressão e fez o seu serviço dentro da própria Arena da Floresta, com 7 mil pagantes. Cris e Valderrama marcaram os gols dos maranhenses, enquanto Raianderson descontou a dez minutos do fim. Vitória por 2 a 1 que carimbou a passagem dos rubro-negros e quebrou a invencibilidade dos acreanos, de belo trabalho em 2016, reconquistando o estadual após 25 anos.

bentão

Já no sudeste, a alegria veio para dois clubes que podem não contar com as torcidas mais numerosas, mas possuem sua tradição no interior. Principal clube de Sorocaba, o São Bento chegou a disputar as divisões nacionais até a década de 1990, quando despencou também no estadual. Entre 2006 e 2007, houve uma rápida volta à elite do Paulistão. Mas a caminhada marcante acontece a partir de 2013, com a restruturação do departamento de futebol e o controle das dívidas. Em dois anos, o Bentão foi da A-3 à A-1 do Paulista. E, depois do bom desempenho neste ano, deu o seu salto na Série D.

Um nome fundamental na trajetória do São Bento é o do técnico Paulo Roberto Santos, que, entre idas e vindas, participou de importantes momentos desde 2014, como o acesso na A-2 e a manutenção na A-1 em 2015. Sob as suas ordens, o time foi até as quartas de final do estadual deste ano, caindo para o Santos. E, ainda que algumas peças tenham mudado, o Azulão manteve a consistência para o Brasileirão. Ao longo da campanha, o grande trunfo esteve na defesa, de apenas dois gols sofridos. O sistema passou ileso também contra o Itabaiana, vencendo o jogo de ida em Sergipe e finalizando o serviço com boa vitória por 2 a 0 no Estádio Walter Ribeiro, com 8,5 mil sorocabanos nas arquibancadas.

voltaço

Por fim, o Volta Redonda permanece como único time invicto da Série D. Costumeira força do interior no Campeonato Carioca ao longo das últimas décadas, o Voltaço começou o ano conquistando a Taça Rio, desta vez, uma espécie de torneio de consolação para aqueles que não avançaram às semifinal do estadual – ou seja, os demais além dos quatro grandes. O troféu revigorou as credenciais do clube do Vale do Paraíba, presente na Série C pela última vez em 2007.  Já o técnico Felipe Surian conquistou o segundo acesso à Terceirona, após ser promovido com o Tupi em 2013.

Dono da terceira melhor campanha geral na fase de grupos, o Volta Redonda passou com segurança por URT e Anápolis nos mata-matas. Já na partida decisiva, a garantia sobre o Fluminense de Feira começou dentro do Estádio Joia da Princesa, com a vitória por 3 a 2. O retorno no Raulino de Oliveira contou com 3,6 mil pagantes e nova vitória do Voltaço, por 2 a 1. Os dois tentos foram marcados pelo atacante Dija Baiano.

A partir do próximo final de semana, as semifinais da Série D têm seu pontapé inicial. O Volta Redonda começa visitando o Moto Club, enquanto o São Bento recebe o CSA. Complemento da festa, que não deixará de ter vontade pela taça em jogo.

Série C

Na parte de cima das tabelas, disputas acirradas em ambas as chaves. Pelo Grupo A, estão emparelhados pelas quatro vagas ABC (28 pontos), Fortaleza (26), Botafogo-PB (26), Remo (24) e Asa de Arapiraca (24). Já no Grupo B, o grande destaque é o líder Guarani, dono da melhor campanha (34 pontos) e time a ser batido. Mais abaixo, a disputa fica entre Boa Esporte (29), Ypiranga de Erechim (27), Botafogo-SP (27), Tombense (26) e Juventude (24). Porém, o assunto da semana passa longe do sucesso. A Portuguesa, que não vence há cinco rodadas, sofreu o seu 11° revés em 16 partidas e beira o rebaixamento. Os paulistanos precisam tirar quatro pontos de diferença para o Macaé, em seis a serem disputados. Para piorar a situação, além da queda iminente, ficou confirmado para novembro o leilão de parte do terreno do Canindé, na intenção de arcar com as dívidas trabalhistas do clube. O departamento jurídico verderrubro ainda tenta buscar uma solução para o impasse.

Série B

O momento é de ressaca para os melhores times do primeiro turno da Série B. A crise no Vasco se escancara, sem vitórias nas últimas cinco rodadas. Para sorte dos cruz-maltinos, a situação de seus principais concorrentes também não é boa. Atlético Goianiense, CRB e Ceará passam por baixas parecidas e, no mesmo período, nenhum deles conquistou mais de uma vitória. Bom para o Brasil de Pelotas, que vem voando nas últimas semanas. O Xavante somou 12 dos últimos 15 pontos em jogo e já assumiu a vice-liderança, apenas dois pontos atrás dos vascaínos. Atenção também para Londrina e Bahia, que babam na cola do G-4.

Fotos: Alisson Frazão (Ascom CSA); Moto Club de São Luis; Jesus Vicente (São Bento); Dalila Almeida (Volta Redonda).