O Chelsea viajou a Kiev com uma vantagem já bastante confortável, depois de vencer por 3 a 0 na ida. E com grande atuação de Willian, Marcos Alonso e, principalmente, Giroud, o time inglês massacrou um apático Dínamo por 5 a 0.

A estratégia do bielorrusso Khatskevich era a de tentar marcar um gol o mais rápido possível, e para isso entrou com uma formação bem ofensiva. Mas o time misto de Maurizio Sarri dominou o terreno de jogo durante os 90 minutos. Com menos de cinco minutos, Giroud já havia marcado o seu primeiro gol na partida. Em escanteio cobrado por Willian, Loftus-Cheek desviou e o atacante francês completou com o pé esquerdo.

A missão impossível do Dínamo caiu por terra e daí em diante o Chelsea atropelou. Aos 33, Marcos Alonso cruzou a meia altura e Giroud completou de direita. Ainda antes do fim da primeira etapa, os Blues igualaram o marcador da primeira perna em uma jogada muito bem trabalhada. Hudson-Odoi tabelou com Giroud e foi até a linha de fundo para centrar para Marcos Alonso, que fez a do centroavante e emendou para as redes.

No segundo tempo, o Kiev se limitou a tentar não tomar mais gols, mas não foi eficiente. Giroud completou seu hat-trick perfeito já com 13 minutos, cabeceando sozinho após uma cobrança de falta de Willian pelo lado direito. Giroud ainda voltou a aparecer na jogada do quinto gol, dando um passe em profundidade para Hudson-Odoi, que com o campo livre avançou e finalizou na saída de de Denis Boyko. Aliás, o goleiro ucraniano, apesar dos cinco gols sofridos, foi o único que se salvou na desastrosa atuação do Kiev, impedindo um placar ainda maior.

Mesmo jogando a Liga Europa com um time misto, dando preferência à briga por uma vaga na Champions pela Premier League, o Chelsea avança às quartas-de-final como um dos favoritos ao título continental.  Giroud vem sendo o principal nome da campanha até aqui, com nove gols em nove jogos, isolando-se na artilharia do torneio. As atuações de  Willian, dono de seis assistências e Marcos Alonso, que quase marcou por duas vezes na bola parada nesta partida, além dos coadjuvantes Loftus-Cheek e Hudson-Odoi, credenciam a equipe inglesa ao rótulo de favorito a retomar o troféu da segunda principal competição de clubes da Europa.