Futebol e justiça são duas coisas que não andam sempre juntas. Ser melhor que o adversário dá uma vantagem, mas não garante vitória. Jogar bem é um bom caminho, mas não há garantia nenhuma que isso será suficiente. O Liverpool vem em melhor fase que o Newcastle e o jogo no estádio do segundo, St. James’ Park, trazia a lembrança dos 6 a 0 impostos pelos Reds na temporada passada. Em campo, o Liverpool novamente mostrou ser melhor. Criava chances e pressionava. Nem assim conseguiu vencer. Os 2 a 2 foram um prêmio ao time da casa. Prêmio de loteria, porque foi basicamente pela sorte.

Não dá para programar acertar um chutaço de fora da área. Foi o que o Newcastle fez quando o Liverpool fazia o seu jogo, muitos passes, posse de bola, algo típico de Brendan Rodgers. O gol do time da casa veio por acaso, mas o empate não. O time vermelho seguia sendo mais perigoso no ataque e quando Mapou Yanga-Mbiwa derrubou Luis Suárez dentro da área, sabia que corria um risco. A expulsão parece dar um pouco de lógica ao jogo.

O gol 100 de Steven Gerrard em jogos da Premier League veio de pênalti, em uma cobrança tranquila. Um marco importante na carreira de uma lenda do futebol inglês. Com o Liverpool jogando o que vinha jogando, parecia que a marca seria só uma entre as coisas que os torcedores comemorariam naquele dia.

O 1 a 1 parecia ser temporário. O Liverpool seguia melhor, criava, tinha Suárez e o artilheiro Daniel Sturridge fazendo um bom jogo. Seria muito natural que saísse mais um gol. E saiu. Do Newcastle. De novo, não foi nada planejado, fruto de uma estratégia bem-sucedida. Alguns usariam aquela desgastada expressão que o Newcastle foi competente para aproveitar as suas chances. Bobagem. Os Magpies só deram sorte, nada mais. Um cruzamento para a área , um vacilo enorme da defesa e Paul Dummett apareceu sozinho. O 2 a 1 não era lógico, mas ainda havia tempo para mudar isso. Eram só 11 minutos do segundo tempo.

Rodgers teve que se desfazer do seu esquema com três zagueiros. Lançou Luis Alberto, espanhol que joga no ataque não deu certo. Quem continuava bem no jogo era Gerrard, distribuindo o jogo muito bem, e Suárez, sempre ativo e muito participativo na partida. Ele participou do gol de empate, depois de receber de Moses e cruzar para Sturridge marcar. Agora sim, o Liverpool parecia que tomaria a frente no placar. Questão de tempo.

Só que o tempo passou, o Liverpool tentou, mas não conseguiu marcar. Até teve uma grande chance no último lance do jogo, com Suárez cobrando falta, mas não adiantou. O placar ficou mesmo em 2 a 2. Não adiantou jogar melhor, nem ser melhor. Futebol é um jogo que nem sempre é justo, muito menos mantém a lógica sempre. O Liverpool é melhor. Jogou melhor. A lógica era vencer. Mas não venceu. Futebol tem dessas.