O ex-jogador Gary Neville estava no Parque dos Príncipes para acompanhar o jogo do Manchester United diante do PSG e ficou surpreso, assim como a maioria, com o que aconteceu. Na entrevista pós-jogo, com o microfone da BeinSports, ele ficou responsável por entrevistar ao atual treinador e aquele que foi seu companheiro nos tempos de jogador no Manchester United. E a entrevista é simplesmente maravilhosa.

LEIA TAMBÉM: Solskjaer representa a fé que o Manchester United precisava e que só o peso da história pode dar

“Ole Gunnar, eu tenho três rápidas perguntas para você. Qual duração você quer no seu contrato? Qual seria o seu salário? E onde você quer sua estátua?”, perguntou Gary Neville, rindo. Solskjaer fez jus ao apelido (não literalmente, ainda bem), “assassino com cara de bebê”, e manteve a tranquilidade. “Que noite fantástica. Eu apenas farei o meu melhor até o verão e vejo o que o clube decidir”, respondeu o norueguês, com o seu tradicional sorriso.

“Eles só têm uma decisão a fazer”, Gary Neville responde. “Você continua dizendo isso”, continuou o treinador do United, rindo. “Nós temos que lembrar esta noite. É o espírito do Manchester United. É ótimo poder ver o chefe [Alex Ferguson] depois do jogo pela primeira vez. Os rapazes foram absolutamente magníficos”.

“A questão é sobre o grupo de jogadores, eu os ouvi cantando o seu nome. Eles absolutamente te amam, não amam?”, pergunta Neville, com um incontrolável sorriso. “Eu não sei”, respondi, um pouco sem graça, Solskjaer, na sua tradicional humildade. “Eles conseguem resultados. Nós temos um bom relacionamento e tem sido fantástico para a comissão técnica”, disse Solskjaer, elogiando todos os seus assistentes, nominalmente.

“O time junto, os jogadores, eu acho que eles aproveitaram… Nós só queremos que eles melhorem, queremos que eles tenham noites como esta. Nós mesmo tivemos isso, não tivemos?”, diz Solskjaer olhando para Neville, ambos campeões da Champions League de 1998/99, naquele épico com gol decisivo do norueguês.

“Eu ouvi a sua coletiva de imprensa ontem e não ouvi uma palavra negativa. Tudo foi positivo. Eu estava assistindo e pensando… Você disse isso, você tem que dizer isso, mas você realmente acreditava nisso, não é?”, perguntou Neville. “É claro! É claro”, respondeu Solskjaer. “Eu não!”, riu Neville.

“Você esteve lá. Eu digo isso, eu tenho que conhecer os jogadores e ser a zebra não é comum para nós no Manchester United, mas foi um bom sentimento para os rapazes hoje, porque muitos jogadores jovens, muitos jogadores que não tinham jogado, e é ótimo para eles irem para campo e não ter nada a perder. Nós apenas dissemos: vão para lá e se expressem. Nós sabemos que temos que defender melhor do que jamais fizemos, correr mais do que jamais fizemos, mas você terá chances, as aproveitem”, disse o treinador.

“A confiança que você mostrou nos jogadores jovens é incrível”, disse Neville. “Foi bom poder dar uma estreia a Mason [Greenwood, de 17 anos], não foi? Parque dos Príncipes, precisávamos de um gol… Chong também, ele pegou a bola, fez algumas arrancadas. Fantástico de ver”, afirmou ainda Solskjaer.

“Como colocar os pés deles no chão depois de hoje, pensando já no domingo? Você já começou?”, pergunta Neville. “Sim, é claro. Temos o Arsenal. O maior jogo para nós. Nós temos que estar entre os quatro melhores quando a temporada acabar. Nós estivemos lá antes, na Copa da Inglaterra, nós sabemos como será difícil, mas agora você tem que aproveitar isso. O chefe [Alex Ferguson] esteve lá dizendo oi para eles, temos que aproveitar essas noites”, afirmou ainda Solskjaer.

“Esse é o melhor momento da sua carreira como técnico?”, pergunta Neville. “Definitivamente. Absolutamente inacreditável. Foi ótimo estar aqui. Estes são os momentos que você faz com a sua comissão técnica, com os jogadores, com os funcionários também, com os torcedores. É disso que se trata futebol”, concluiu Solskjaer.

Veja a entrevista (em inglês):