A zebra não entrou totalmente em campo, mas passeou ao redor dos gramados nesta quarta-feira pela Copa do Rei. A mudança de regulamento do torneio se mostrou bem-vinda logo de cara. O esquema de jogo único na casa da equipe de menor divisão aumenta bastante a chance de surpresas – e também a crença desses pequeninos, de que podem surpreender. Assim, Real Madrid e Barcelona enfrentaram adversários que fizeram o jogo de suas vidas. Unionistas e Ibiza-Eivissa perderam. Porém, tornaram o compromisso dos gigantes bem mais difícil.

Um pouco da honradez pela ocasião foi traduzida por Jabi Luaces, treinador do Unionistas de Salamanca, que corre riscos de rebaixamento na terceira divisão e vendeu caro a derrota para o Real Madrid. Segundo o comandante, a escalação utilizada por Zinedine Zidane, cheia de astros e com alguns titulares, indicou a consideração dos oponentes e o respeito de Zizou ao adversário, mesmo dentro de uma outra realidade do futebol.

“Eu me surpreendi um pouco quando vi a escalação. Pensei na palavra respeito. A lista de relacionados já oferecia isso e, quando vimos o 11 inicial, percebemos um homem do futebol com muito respeito. Nestes dias, o Real Madrid demonstra que é um clube gigante e Zidane, cheio de estrelas, também. Nós o saudamos antes da partida”, declarou Luaces, após a derrota. “Eu me despeço da competição orgulhoso. A torcida viveu um dia espetacular, viu sua equipe buscar o empate contra o Real Madrid e quase tirar o 2 a 2. Foi uma festa, assim como tinha acontecido contra o Deportivo de La Coruña e o Atlético Baleares nas fases anteriores”.

O jogador que mais impressionou em Salamanca foi Álvaro Romero, de 23 anos. O meia saiu do banco no segundo tempo e muitos podiam desconfiar de suas capacidades, com apenas 1,47 m de altura. No entanto, “El Nano” demonstrou muita qualidade técnica e botou fogo em sua equipe na segunda etapa, sobretudo pelo golaço que valeu momentaneamente o empate. Luaces também elogiou o caráter de seus comandados.

“Os rapazes fizeram um grande esforço e competiram muito bem. Jogamos contra a melhor equipe do mundo e por muitos momentos equilibramos a partida. Ao final, a qualidade e o ritmo pesaram. Eles se movem com muita precisão e te fazem correr muito. Tentamos não nos desgastar tanto, chegamos até os acréscimos do segundo tempo com a partida viva”, analisou o treinador. “Romero tem muita confiança e para ele é igual jogar contra o Real Madrid ou qualquer outro. Ele se atreve em tudo e nos deu essa vida. Tornou a partida mais igualada e, por momentos, tivemos a esperança de complicar a eles. Então, eles subiram a outra marcha”.

Romero, por sua vez, espera que a Copa do Rei garanta mais oportunidades. Nascido na Andaluzia e com passagem por equipes locais, rodou por clubes das divisões de acesso nos últimos anos. Contratado pelo Unionistas em 2019, tornou-se um personagem muito querido na equipe da terceirona, não apenas por seu talento ou pela peculiaridade de seu tamanho. Muito expressivo, entrevistou todos os companheiros antes da partida contra o Real Madrid. E tentou cavar uma nova chance depois do sucesso nacional.

“Eu me apresento: sou jornalista e, se algum jornal quiser me contratar, ficaria encantado”, disse na saída de campo, com um sorriso no rosto. A figura carismática trocou sua camisa com Dani Carvajal, seu marcador no segundo tempo, e também brincou: “Não sei qual desodorante ele usa, mas o cheiro estava ótimo mesmo depois do jogo”. Contra um Real Madrid acostumado a tantas plasticidades, Romero lembra outra face do futebol.

E outra medida bem legal protagonizada pelo Unionista foi anunciada na véspera do jogo, aproveitando a repercussão ao redor do país. O clube se somou ao projeto Common Goal, de Juan Mata, e passou a doar 1% de suas receitas a trabalhos sociais com crianças ao redor do mundo ligados ao futebol. Foi o primeiro clube espanhol a aderir à iniciativa, quando a maioria dos apoiadores ainda é composta por atletas e treinadores.

O Ibiza-Eivissa, por sua vez, esteve com a classificação nas mãos durante parte do jogo. Abriu o placar logo cedo contra o Barcelona e poderia ter ampliado antes do intervalo. Somente no segundo tempo é que Antoine Griezmann resgatou os blaugranas, arrancando a virada por 2 a 1 nos acréscimos. Por mais que os olhares recaiam sobre o momento do Barça, em transição com a chegada de Quique Setién, não se nega os méritos da equipe que também milita na terceirona – e luta com o Atlético de Madrid B pelo acesso.

O treinador do Ibiza é Pablo Alfaro, que atuou por muitos anos como zagueiro do Sevilla, mas também passou uma temporada no Dream Team do Barcelona. Não deixou de ressaltar o sentimento de orgulho ao redor de seu time.

“O ambiente foi espetacular, como um grande evento esportivo que precisava ser. Aproveitamos muito e viram como nós competimos. Vamos com a sensação de que não nos faltou nada e estou contente com meus jogadores, mas aborrecido porque nos eliminaram no minuto noventa e tanto. Esse é o caminho correto e, a partir daí, vamos trabalhar. Não sabem como estou tremendamente orgulhoso de meus jogadores, fizemos uma partida espetacular. Se fizéssemos o segundo gol, tudo teria mudado”, afirmou o veterano.

Alfaro destacou como a atuação será importante à sequência do clube e dos jogadores: “A descarga de energia emocional foi tremenda e, além disso, essa chama não há quem apague. Creio que demos um passo de gigante, escrevemos nosso nome com honra na Copa do Rei. Mas tenho muitos sentimentos contrapostos. O vestiário se sente com a impotência de termos dado tudo e que o Barça, sem chutar até o minuto 70, acabe avançado nos minutos finais. É um sentimento também de tristeza, porque caímos da forma mais cruel”.

O herói do Ibiza foi Javi Pérez, meio-campista de 24 anos que chegou ao clube nesta temporada. Havia atuado pelo Valladolid B nos dois anos anteriores e até entrou em campo pelo time principal, durante os playoffs de acesso em 2017/18. O que parecia um retrocesso na carreira, ao fechar com um clube da terceira divisão, garantiu uma experiência inesquecível.

“A torcida foi incrível. Tivemos um ambiente espetacular, em uma noite mágica, e espero que possamos viver muitas outras como essa. Quando cheguei ao clube, em nenhum momento, nem em meus melhores sonhos, havia pensado em ter uma noite tão incrível assim em Ibiza. Pouco a pouco as pessoas ficam empolgadas e tomara que um dia consigamos encher o estádio em La Liga. Agora, vamos nos concentrar 100% e buscar o acesso”, apontou.

Entre terça e quarta, apenas duas equipes fora da elite se confirmaram nas oitavas de final da Copa do Rei – os tradicionais Zaragoza e Tenerife, ambos da segundona. A quinta-feira oferece a última esperança aos pequenos nos 16-avos de final, com destaque ao embate entre Atlético de Madrid e Cultural Leonesa, também da terceira divisão.