O Catar chegou à Copa da Ásia longe dos holofotes. A campanha da seleção nas Eliminatórias para a Copa de 2018 decepcionou bastante, com a lanterna de seu grupo na fase decisiva. Além disso, os catarianos também perderam os seus três jogos na competição continental em 2015 e vinham de uma mudança recente no comando técnico. Pois o espanhol Félix Sánchez, antigo comandante das seleções de base, parece ter sacudido o seu elenco. Os Annabi veem a ascensão de alguns jovens valores, que também trabalharam com o treinador na Academia Aspire, projeto bancado pelo governo local para o desenvolvimento do jogadores. Almoez Ali é um desses caras e comanda a campanha surpreendente do país na fase de grupos. Autor de impressionantes sete gols no torneio, ele anotou dois nesta quinta-feira. Em jogo com pano de fundo geopolítico, que também valia a liderança do Grupo E, o Catar derrotou a Arábia Saudita por 2 a 0 – com direito ainda a um pênalti perdido e um tento mal anulado.

As tensões diplomáticas entre os dois países não repercutiram em campo. Catar e Arábia Saudita fizeram um jogo disputado, mas nada além da medida esportiva, em resultado que seria importante às duas seleções. Como de praxe no trabalho de Juan Antonio Pizzi, os sauditas tinham a posse de bola e ameaçavam mais no início do duelo. Hussain Al Moqahwi chegou a carimbar a trave adversária aos 22 minutos, enquanto os Falcões Verdes também reclamaram de um pênalti. Mas, no final do primeiro tempo, o Catar abriu o caminho à sua vitória. Aos 42 minutos, teve um pênalti anotado a seu favor, no qual Mohammed Al Owais pegou o chute de Hasan Al Haydos.  Ainda assim, o gol viria nos acréscimos. A zaga saudita falhou e, de frente para o crime, Almoez Ali não teve problemas para definir.

A vantagem no placar revigorou o jogo dos catarianos, que foram bem mais seguros e eficientes, por mais que os sauditas incomodassem. Aos 13 minutos, Almoez Ali ampliou a diferença ao desviar uma cobrança de escanteio no primeiro pau, mas o tento foi inexplicavelmente anulado por uma falta que só o árbitro viu. Nada que fizesse falta. Apesar de alguns sustos da Arábia Saudita contra a meta de Saad Al Sheeb, o Catar matou o jogo aos 34 minutos. Mais um escanteio para Ali Almoez subir livre, sem qualquer apelo.

Com sete gols, Almoez Ali se torna o segundo maior artilheiro em uma única edição da Copa da Ásia. O camisa 19 precisa de apenas um tento para igualar o recorde do mítico Ali Daei, registrado em 1996. Nascido no Sudão, antes de seu mudar ao Catar na infância, o atacante de 22 anos passou pela Academia Aspire e rodou por diversos clubes europeus filiados ao projeto – Eupen, LASK Linz, Pasching e Cultural Leonesa. Desde 2016, defende o Al-Duhail, também ligado à família real. É um candidato a liderar os catarianos rumo à Copa de 2022.

Ao lado de Japão e Coreia do Sul, o Catar foi um dos únicos times a terminar a fase de grupos da Copa da Ásia com nove pontos. Também possui o melhor ataque e a melhor defesa do torneio até o momento. Já a Arábia Saudita avança em segundo, com seis pontos. Em compensação, o Líbano não conseguiu se classificar aos mata-matas. Os Cedros até fizeram a sua parte contra a Coreia do Norte, ao golearem por 4 a 1. No entanto, com três pontos, não ficaram entre os melhores terceiros colocados por causa do quarto critério de desempate: a pontuação disciplinar gerada pelo número de cartões.

A Coreia do Norte até abriu o placar na noite, em cobrança de falta de Pak Kwang-ryong, que contou com a colaboração do goleiro. Só então o Líbano iniciou sua reação. Antes do intervalo, Hassan Maatouk fez uma jogadaça na linha de fundo, driblando dois, e Felix Michel empatou. Hilal El-Helwe anotou o segundo aos 20, enquanto o próprio Maatouk converteu um pênalti aos 35. Já o gol que selou a vitória aconteceu aos 53, quando o goleiro libanês já estava na área adversária. El-Helwe encheu o pé e definiu a goleada. Graças a este tento, o Líbano se igualou ao Vietnã em pontos, saldo de gols e gols sofridos na briga pela última vaga oferecida aos melhores terceiros colocados. Todavia, com dois cartões amarelos a menos, os vietnamitas avançaram às oitavas de final.

Japão vira e confirma a sua autoridade

Mais cedo, o Grupo F concluiu sua terceira rodada. Já classificados, Japão e Uzbequistão faziam o confronto mais importante, que definiria o primeiro colocado. Ainda assim, os japoneses escalaram uma equipe recheada de reservas, enquanto os uzbeques também pouparam alguns de seus protagonistas. E a partida movimentada, recheada de golaços, terminou com a virada dos Samurais Azuis por 2 a 1. Serviu para que alguns jogadores mostrassem serviço ao técnico Hajime Moriyasu.

Desde o primeiro tempo, o Japão impôs o seu jogo. Atuou no ataque e pressionou os oponentes, arrematando bastante. O experiente goleiro Ignatiy Nesterov ia segurando o resultado. Enquanto isso, o Uzbequistão se fechava e esperava os espaços aos contra-ataques. Desta maneira, abriu o placar aos 40 minutos. O jovem Eldor Shomurodov deslumbrou no lance, em que arrancou à frente dos zagueiros, deu um corte seco no marcador que se aproximava e finalizou com a parte de fora do pé, exibindo toda a sua categoria.

A vantagem dos uzbeques, porém, não durou mais do que três minutos. Ainda no primeiro tempo, o Japão arrancou o empate. Grande lance de Sei Muroya, que girou sobre o marcador e encontrou a avenida na lateral direita, cruzando para Yoshinori Muto completar de cabeça. Na volta ao segundo tempo, os nipônicos seguiram melhores e, bastante agressivos, faziam a virada parecer questão de tempo. Assim, o segundo gol aconteceu aos 13 minutos. Uma verdadeira pintura de Tsukasa Shiotani, que acertou um petardo de três dedos, em bola perfeita que mal deixou Nesterov sair na foto. Na sequência da partida, o Uzbequistão tomou a iniciativa, mas não teve a mesma precisão. Na melhor oportunidade, Davronbek Khashimov exigiu uma defesaça do goleiro Daniel Schmidt, que sacramentou o triunfo dos Samurais Azuis.

Com nove pontos, o Japão garantiu a primeira colocação, seguido pelo Uzbequistão, com seis. Já o terceiro lugar foi de Omã, em classificação inédita aos mata-matas da Copa da Ásia. Os árabes derrotaram o Turcomenistão por 3 a 1 e, com três pontos, avançaram graças ao saldo de gols. Precisando de uma vitória por dois gols de diferença para se confirmar, Omã começou pressionando e abriu o placar aos 20 minutos, com um belo gol de falta do capitão Ahmed Al Mahaijri. O Turcomenistão acordou depois disso e empatou aos 41, aproveitando um erro da defesa. Altymyrat Annadurdyyev saiu de frente para o gol e fuzilou. Contudo, os omanis voltariam bem ao jogo no segundo tempo e conseguiram cumprir a missão nos minutos finais. O jogo aéreo foi mortal. O segundo tento saiu aos 39, em cruzamento escorado no segundo pau, que Muhsen Al Ghassani arrematou. Já a classificação se consumou de maneira apoteótica, aos 48, em novo cruzamento da direita para Mohammed Al-Musallami resolver de cabeça.

Definição dos mata-matas

Com os dois últimos grupos encerrados, também se esclareceu o chaveamento rumo à fase final da Copa da Ásia. O destaque fica para o embate precoce entre Japão e Arábia Saudita nas oitavas, enquanto Catar e Iraque também prometem um bom duelo. A próxima etapa começa a partir de domingo.