Nesta sexta-feira, o Torneio Pré-Olímpico da Conmebol concluiu sua fase de classificação. O Brasil já estava previamente garantido na liderança do Grupo B, mas restava ainda em disputa uma vaga ao quadrangular final e todas as outras seleções da chave estavam vivas. Assim, a última rodada guardou um nível altíssimo de emoção, com os brasileiros só assistindo de camarote. A classificação passou por três mãos diferentes ao longo da noite, até que o Uruguai se confirmasse na fase decisiva – e sem nem mesmo entrar em campo.

Com cinco times por chave no Pré-Olímpico, o Uruguai já tinha concluído sua participação na rodada anterior e folgava nesta sexta. Somando seis pontos, a Celeste até começava na zona de classificação, mas precisaria secar os adversários para passar de fase. Assim, não deve ter sido uma noite fácil para os garotos uruguaios, que estavam presentes nas arquibancadas em Armênia.

A rodada começou com Bolívia x Peru, cada seleção com três pontos. Um empate beneficiaria o Uruguai, assim como uma vitória simples da Bolívia. Os peruanos precisavam apenas do triunfo por qualquer placar para superar a Celeste na tabela, enquanto os bolivianos dependiam de uma vitória por dois gols de diferença. E La Verde, que cumpria uma campanha digníssima na competição, saiu para buscar a classificação. Moisés Villarroel abriu o placar aos 24 minutos do segundo tempo e Fernando Saldías ampliou logo depois, cobrando pênalti.

Neste momento, faltando 15 minutos no relógio, o Peru teria que anotar três gols. Enquanto isso, a Bolívia não poderia ser vazada. O Uruguai, ansioso nas arquibancadas, aguardava o desfecho. E a polêmica aconteceu justo no último lance. Os cinco minutos de acréscimos já tinham estourado, mas o árbitro permitiu uma cobrança de escanteio dos peruanos. Aos 51, José Luján aproveitou a bola na área e descontou à Blanquirroja. O gol fechou o placar em 2 a 1 para a Bolívia, insuficiente para que a equipe superasse o Uruguai no saldo, com os mesmos seis pontos. E um pandemônio tomou o gramado na cidade de Armênia.

Enquanto membros da seleção boliviana causavam confusão e cobravam o árbitro, muitos jogadores desabavam no gramado e choravam por aquilo que ficou tão perto. La Verde demonstrou um potencial maior que outras seleções mais badaladas no Pré-Olímpico. Porém, depois do último minuto, o sonho de disputar o quadrangular final escapou de suas mãos.

Ainda assim, o Uruguai não estava garantido. Para que a Celeste avançasse, o Paraguai (também com três pontos) não poderia bater o Brasil no segundo jogo da noite. E, pensando na fase seguinte, André Jardine poupou os seus titulares para a conclusão do Grupo B. Novamente, o coração dos charruas seria testado nas arquibancadas.

Afinal, quem abriu o placar em Armênia foi o Paraguai. Depois de um primeiro tempo no qual até pareceu que o Brasil precisava do resultado, atacando bem mais, a Albirroja abriu o placar aos 16 minutos da etapa complementar. Pane geral na defesa brasileira, para que Roberto Fernández concluísse de cabeça. Neste momento, novamente, o Uruguai saía da zona de classificação por causa do saldo de gols.

A sorte da Celeste é que os garotos do Brasil estavam dispostos a mostrar serviço. O empate aconteceu aos 30 minutos, numa jogada entre Bruno Guimarães e Paulinho, que tinham saído do banco pouco antes. O ponta passou pela marcação em velocidade e finalizou com categoria. Já a virada saiu aos 44. Foi uma bela trama: Pepê deu o corta-luz, Igor Gomes devolveu por cima da zaga e o gremista deu um toquinho para encobrir o goleiro. Vale dizer, entretanto, que o Paraguai poderia ter feito o segundo pouco antes. Desperdiçou uma ótima chance na pequena área, em lance no qual o árbitro anotou impedimento.

Ao final, enquanto o Brasil manteve os 100% de aproveitamento, apenas Uruguai e Bolívia chegaram aos seis pontos, com vantagem aos charruas. O choro dos bolivianos faz ainda mais sentido quando se pensa que eles tinham vencido o confronto direto contra a Celeste. Brasileiros e uruguaios se encontrarão no quadrangular final com Argentina e Colômbia. Os argentinos somaram quatro vitórias no Grupo A, ao passo que os colombianos só avançaram pela vantagem no saldo na disputa com o Chile. A primeira rodada da fase final acontece nesta segunda-feira, com Brasil x Colômbia e Argentina x Uruguai.