Por @brunocassali *

Imagina estar fora de atuação no mercado de trabalho há 16 meses e com duas semanas no novo emprego virar o Empregado do Mês. Dois dias antes de completar 30 anos, Conrad Logan fez seu primeiro jogo completo com a camisa do Hibernian, em substituição ao titular Mark Oxley. E não há do que reclamar: saiu sem levar gols no tempo normal e na prorrogação, foi eleito como melhor da partida e pegou dois pênaltis em quatro cobranças na decisão da vaga à final da Copa da Escócia.

LEIA MAIS: Celtic, eu voltei: Rangers vence clássico nos pênaltis e está na final da Copa da Escócia

“Você faz sua própria sorte”, disse o goleiro após o triunfo. Logan impediu que Blair Spittal e Billy McKay, as referências técnicas do Dundee United, convertessem suas cobranças na disputa por pênaltis, mesmo sem estar no auge de sua forma. “Eu sabia que poderia sair de Hampden Park como o heroi da classificação do Hibs”, falou o goleiro na zona mista após a partida.

Mesmo visualmente acima do peso, Logan ganhou a confiança de Alan Stubbs pela experiência “As pessoas me questionaram a semana toda sobre quem substituiria Oxley (suspenso). Acho que optar pela experiência de Logan ao invés da juventude de Otso Virtanen (finlandês de 21 anos) foi a decisão correta”, disse o treinador. “Estou muito satisfeito por ter feito parte disso”, celebrou Logan – que além dos pênaltis foi decisivo no tempo normal, parando Billy McKay duas vezes e Henri Anier outra em enfrentamentos de um contra um. “Eu estou especialmente grato ao técnico por me trazer pra jogar aqui”, celebrou o goleiro.

 

O Hibernian poderia se classificar para sua terceira final da Copa da Escócia em quatro anos já no tempo normal. Mas o festejado artilheiro Jason Cummings quase saiu de Glasgow como o vilão da tarde. Aos 28 minutos da primeira etapa, Fraser Fyvie recebeu à esquerda da área e tentou o cruzamento. Ao tentar o desvio de cabeça, Coll Donaldson resvalou o braço direito na bola. Pênalti e bola sob os braços de Jason Cummings.

“Eu me senti como Andrea Pirlo ao me dirigir pra bater o pênalti”, disse o jovem camisa 35. Com a camisa da Itália na última Eurocopa, Pirlo bateu e converteu à lá Panenka o segundo pênalti da série contra Joe Hart e a Inglaterra. Mas Jason Cummings errou na força e encobriu a meta defendida pelo japonês Eiji Kawashima. “Depois do erro, eu pensava que não estava no meu dia”, disse Cummings.

Mas o Sobrenatural de Almeida aprontou pra cima do centroavante do Hibs. Nas cobranças alternadas da marca da cal, os verdes de Edimburgo abriram dois gols de vantagem e foi o jovem atacante o responsável por cobrar o quarto e decisivo pênalti. “Não podia ter sido escrito melhor pra mim. Na hora do pênalti eu perguntei para meus companheiros ‘É pra eu ganhar o jogo, é isso?’. Foi como uma redenção, eu estava nervoso. Mas aí foi só fazer o simples e agarrar a chance de vencer”, resumiu Cummings.

 

A decisão de manter Cummings entre os cinco que bateriam os pênaltis após 120 minutos foi exclusiva de Alan Stubbs. Mas muito em função de um pequeno detalhe: o treinador não viu o pênalti perdido por seu atacante na primeira etapa. Na entrevista coletiva após o jogo, o técnico do Hibernian confessou ter aproveitado a pausa pela marcação da penalidade para… ir ao banheiro.

“Eu corri para o banheiro na hora do pênalti. Quando voltei, olhei para o banco e vi todos balançando a cabeça negativamente e pensei ‘algo deu errado’”, afirmou Stubbs antes de admitir que “Cummings treina isso durante a semana. Ele é jovem e depois desse erro vai aprender que na semifinal de Copa não é a hora de arriscar tanto”.

Para o derrotado Dundee United, segue em frente o drama do rebaixamento iminente. Não tem sido uma temporada fácil para o ex-atacante finlandês Mixu Paatelainen, que desde que chegou a Tannadice em Outubro de 2015, viu o clube não sair da lanterna liga escocesa. Apesar de ter feito a sexta melhor campanha do terceiro turno, num claro resultado da melhora de desempenho em campo, a distância de 8pts para o Kilmarnock parece irreversível nas últimas cinco rodadas.

Já o Hibernian aguarda a final da competição, que será apenas em 21 de Maio. O tempo parece ser suficiente para o Hibs pensar em quão glorioso seria o fato de quebrar 114 anos de tabu e voltar a vencer a Scottish Cup.

* Bruno Cassali (@brunocassali) é Jornalista desde 2008, trabalhou na imprensa esportiva gaúcha até 2014 e vive em Edinburgh, capital da Escócia, desde Janeiro de 2015.