O ofício diz: centroavante. Porém, não dá para limitar Lucas Pratto às incumbências de sua posição. O trabalho feito pelo argentino extrapola as características pedidas à função. Era assim em outros momentos de sua carreira e, no Brasil, isso se tornou bastante evidente na passagem pelo Atlético Mineiro. Nem sempre era o que marcava mais gols, mas seu nível de trabalho coletivo para a equipe sempre foi alto. Algo que se repete pelo São Paulo, especialmente nas duas últimas partidas. O capitão vai além das atribuições costumeiras para um homem de referência. E, neste sábado, decidiu o clássico contra o Palmeiras no Morumbi, participando de ambos os gols na vitória por 2 a 0. Resultado que mantém a supremacia dos tricolores em seu estádio nos últimos 16 anos de Choque-Rei, com 15 triunfos e nove empates.

O jogo se desenhou bastante cauteloso. Ambas as equipes se posicionaram defensivamente, com Cuca apostando num esquema com três zagueiros, recuando Felipe Melo como líbero. Assim, poucas foram as emoções na primeira etapa, em que a posse de bola permaneceu por mais tempo com o Palmeiras, mas faltou intensidade. Já no segundo tempo, o ímpeto do São Paulo faria a diferença, aproveitando melhor as chances criadas. Pesaram também os erros dos palmeirenses, sobretudo de Jean e Fernando Prass. Enquanto o meio-campista desperdiçou um pênalti, o goleiro poderia ter feito melhor nos dois gols da noite.

Pratto, por sua vez, protagonizou o São Paulo. A movimentação do atacante valeu demais à equipe no segundo tempo, abrindo espaços na defesa adversária e dando o combate na saída de bola. E a inteligência do camisa 14 impressiona, pela maneira como consegue antever muitas jogadas. No lance do primeiro gol, foi ele quem criou o espaço para a excelente enfiada de bola de Marcinho, invadindo a área enquanto o ala ainda girava o corpo. Sem a devida cobertura de Felipe Melo, mandou para dentro, batendo rente à trave. Já no segundo tento, valeu também sua capacidade para buscar o jogo e armar, passando a bola por entre os defensores para Luís Araújo fechar a conta.

Obviamente, nem tudo é perfeito para Pratto no Morumbi. As eliminações experimentadas na temporada enfatizam isso, embora o centroavante tenha se esforçado para diminuir as distâncias no ataque. Já neste Campeonato Brasileiro, os seis pontos conquistados pelo São Paulo caem muito em sua conta, por aquilo que fez contra Avaí e Palmeiras. Um nome fundamental para este novo momento do São Paulo, seja pela qualidade técnica, pela funcionalidade tática e mesmo por sua postura. A braçadeira e a confiança de Rogério Ceni não são à toa. Valeram a vitória mais importante dos tricolores na temporada.