Hristo Stoichkov completou 50 anos em fevereiro. No entanto, sua grande festa de aniversário só se realizou nesta sexta-feira. E o velho craque búlgaro teve um evento grandioso, com tudo o que tinha direito. Ganhou a presença de mais de 45 mil torcedores nas arquibancadas do Estádio Vasil Levski, em Sofia. Assistiu a uma execução especial do hino nacional, danças folclóricas, queima de fogos. Contou com a participação ilustre de vários amigos e outros tantos nomes que marcaram o passado do futebol. Mas nenhum outro momento tocou mais o artilheiro do que o tributo aos seus queridos que partiram nos últimos meses: Johan Cruyff, seu técnico no Barcelona, e, principalmente, o ex-companheiro Trifon Ivanov.

VEJA TAMBÉM: “Há um Cristo lá em cima e outro aqui embaixo: ambos fazem milagres”: os 50 anos de Stoichkov

Ao terceiro e ao 14º minuto de bola rolando, o amistoso parou. Tanto a fotografia de Cruyff quanto a de Trifon apareceram no telão, com crianças em campo representando os seus nomes. A imagem do Lobo, em especial, fez Stoichkov desabar. Juntos, as lendas búlgaras despontaram no CSKA Sofia e disputaram duas Copas do Mundo. Juntos, as referências do futebol nacional criaram um fortíssimo laço de amizade. Durante o funeral de Ivanov, o artilheiro já havia deixado o seu sentimento visível, em forma de lágrimas. Desta vez, recebeu também os três filhos do ex-zagueiro, entregando camisas especiais com o carinho de um pai.

Quando a bola rolou, Stoichkov viu sua alegria se tornar completa, na vitória por 4 a 1 de sua equipe. O combinado formado por seus amigos contava com outras referências da Bulgária, como Kostadinov, Lechkov, Penev e Balakov, além de craques do nível de Hagi. Já do outro lado, a constelação era enorme: Paolo Maldini, Valderrama, Papin, Futre, Massaro, Sneijder, Belanov, Giuly, Jorge Campos, Zamorano, Schillaci, Albertini, entre outros. E isso porque alguns amigos de peso, como Maradona e Romário, acabaram sem conseguir comparecer.

VEJA TAMBÉM: O adeus de um ícone dos anos 90, um reencontro com as lembranças: faleceu Trifon Ivanov

Outra visita ilustre foi a de uma réplica da taça da Champions, erguida por Stoichkov e diversos companheiros do Barcelona de 1992. Por fim, o veterano ainda recebeu as suas filhas em campo, além de ser condecorado pelo Ministro dos Esportes por suas contribuições ao futebol búlgaro. Homenagens que só reforçam o peso que o herói nacional tem ao país.

Abaixo, o vídeo com a homenagem a Trifon, além de outro com os gols da noite. Destaque para o primeiro, em bela trama dos companheiros da Bulgária de 1994:

stoich3stoich4stoich5stoich6stoich2stoich1stoich