À altura das expectativas, Dortmund e Bayern travam duelo eletrizante, e bávaros saem vitoriosos

A expectativa era alta pelo Der Klassiker desta 7ª rodada da Bundesliga, e Borussia Dortmund e Bayern de Munique de fato entregaram um futebol de alto nível. Com direito a reviravolta e emoção até o fim, os bávaros, por fim, saíram vencedores com um 3 a 2 relativamente fiel ao que se viu em campo.

[foo_related_posts]

Como é característica em jogos do Bayern de Hansi Flick, os bávaros ditaram o ritmo do jogo e condicionaram o adversário a jogar no contra-ataque. A primeira oportunidade de gol veio aos 14 minutos. Em escanteio cobrado por Kimmich, a bola sobrou para Boateng, que cruzou de volta para a área, onde Goretzka chegou para cabecear e forçar Bürki a boa defesa para evitar o tento.

Aos 21 minutos, o Dortmund teve sua primeira grande chance em contra-ataque. Reyna e Haaland foram lançados contra dois adversários, o norte-americano tocou nas costas da zaga, e o norueguês bateu cruzado, na saída de Neuer, mas mandou à esquerda do gol.

O Bayern, por fim, foi o primeiro a balançar as redes, mas precisaria esperar mais para comemorar seu gol. Aos 24 minutos, Coman conduziu a bola da direita para o meio, abriu com Gnabry, e o alemão avançou pela esquerda até cruzar baixo para Lewandowski. O polonês se atirou de carrinho para marcar, mas a checagem do VAR confirmou impedimento do centroavante por centímetros.

Quatro minutos mais tarde, Goretzka de novo ameaçou o gol de Bürki, pegando sobra na entrada da área e acertando um forte sem pulo, sem deixar a bola pingar no chão. O goleiro suíço, no entanto, estava atento e espalmou para longe o perigo.

Em um dos contra-ataques puxados por Haaland, aos 36 minutos, Kimmich tentou interceptar a corrida do adversário e levou a pior no lance. Lesionado, teve que deixar o campo para a entrada de Tolisso.

O Dortmund intensificou um pouco suas subidas ao ataque no fim da primeira etapa. Aos 40 minutos, Sancho cruzou para Witsel, na segunda trave, e o belga chutou por cima do gol. Cinco minutos depois, o ataque foi mais efetivo. Após boa trama pela esquerda, Reyna tocou por trás da defesa para a chegada de Guerreiro, que cruzou baixo para o meio da área. Reus desviou com jeito e deu velocidade e altura à bola, vencendo Neuer para fazer 1 a 0.

O primeiro tempo já parecia do Dortmund, mas o Bayern de Munique não é de se dar por vencido. Aos 49 minutos da primeira etapa, em cobrança de falta ensaiada, Lewandowski, Gnabry e Alaba combinaram para confundir os aurinegros, tocaram curto na frente da área, e o austríaco chutou, contando com desvio em Meunier para bater Bürki e empatar.

Se o momento para o gol de empate não poderia ter sido melhor ao Bayern, o da virada foi ainda mais oportuno. Logo após um bom ataque do Dortmund, finalizado com perigo por Haaland, rente à trave direita de Neuer, os bávaros reagiram com contundência. Aos três do segundo tempo, Gnabry abriu com Hernández, que cruzou para a cabeçada de Lewandowski: 2 a 1.

O Bayern cresceu com o gol e esteve perto de marcar o terceiro. Aos seis minutos, Coman acertou a trave em chute de fora da área. Dois minutos mais tarde, o francês tentou o cruzamento, mas a bola tomou outro caminho e quase encobriu Bürki, que conseguiu alcançar e evitar o 3 a 1.

Aparentando problemas físicos, Thomas Delaney deu lugar a Jude Bellingham, aos 15 minutos da segunda etapa, e o inglês em breve teria sua primeira boa participação no jogo. Aos 22, deu um bom passe para Reus dentro da área, o alemão limpou a marcação e chutou forte, mas em cima de Neuer, que defendeu com segurança.

Aos 24 minutos, Lucien Favre promoveu uma alteração dupla, com a entrada de Brandt e Thorgan Hazard nos lugares de Sancho e Reyna. Hazard, especificamente, teve impacto imediato, recebendo de Meunier em seu primeiro lance e chutando forte para boa defesa de Neuer, que teve que espalmar. O Bayern respondeu quatro minutos depois com ainda mais perigo, em finalização cruzada de Gnabry, buscando o ângulo, que passou perto de entrar.

Em busca do gol de empate, o Borussia Dortmund deixava cada vez mais espaço atrás para contra-ataques e, enfim, acabou sendo punido por isso. Aos 35 minutos, os aurinegros trocaram passes com qualidade, mas, já na beira da área do Bayern, Haaland foi desarmado. O contragolpe foi rápido: Lewandowski recebeu na altura do meio do campo, abriu com Sané, que havia entrado na segunda etapa, e o alemão bateu cruzado, de chapa, para fazer 3 a 1.

Aproveitando a linha alta do Bayern, o Dortmund diminuiu a desvantagem apenas três minutos mais tarde. Guerreiro lançou com maestria pelo alto para Haaland, que dominou na área, driblou Neuer e bateu para dar esperança de uma reação ao time de Favre.

Aos 42 minutos, os aurinegros até estiveram perto de igualar o marcador. Guerreiro cruzou da esquerda, e Reus apareceu sozinho para finalizar. Porém, de primeira, isolou a bola por cima do gol.

Já nos acréscimos, Lewandowski chegou a marcar novamente, contando com um desvio em Hummels para encobrir Bürki, mas a revisão do VAR revelou mais um impedimento do centroavante, ao pegar rebote do chute de Tolisso, e o gol foi invalidado.

Nos minutos finais, o Dortmund se lançou ao ataque, contando mais uma vez com Guerreiro para levantar a bola na área, mas em sua melhor oportunidade parou em defesa tranquila de Neuer após cabeçada de Bellingham.

O resultado garantiu a liderança ao Bayern de Munique, com 18 pontos em sete jogos. O Dortmund, que vinha de quatro vitórias consecutivas na Bundesliga, estacionou nos 15 pontos, ocupando a terceira colocação, com o RB Leipzig no segundo lugar, somando um ponto a mais.

Do lado dos bávaros, a partida foi apenas a mais recente demonstração de força do que é hoje a melhor equipe do mundo. Os aurinegros, por sua vez, podem se consolar com o fato de que foram adversários formidáveis a um time dessa estatura. Certamente, uma atuação mais convincente que aquela da derrota na final da Supercopa da Alemanha, em setembro.