Quando as semifinais do Mundial Sub-20 se desenharam, já estava determinado que uma final inédita aconteceria. E em uma competição na qual os favoritos sucumbiram fase a fase, não seria diferente desta vez. Itália e Equador, que pareciam um passo à frente, terminaram eliminados. Terão que ver de longe a decisão entre Ucrânia e Coreia do Sul, em triunfos pelo placar mínimo. Enquanto os ucranianos despacharam os italianos por 1 a 0, com um gol dos azzurrini anulado nos acréscimos, os sul-coreanos repetiram a contagem horas mais tarde, diante de uma seleção equatoriana que não se entregou até o último instante.

O primeiro jogo aconteceu em Gdynia. A Ucrânia se valia da segurança do goleiro Andriy Lunin e saiu em vantagem aos 20 minutos do segundo tempo, com Serhii Buletsa aproveitando cruzamento da direita. Todavia, o jogo se transformou depois que o zagueiro-artilheiro Denys Popov foi expulso com o segundo amarelo. A Itália partia para cima e criava chances. E em uma competição de tantos resultados espetaculares, o empate heroico pareceu se concretizar nos acréscimos, graças ao golaço de Gianluca Scamacca. O atacante do Sassuolo dominou com a coxa e virou um lindo chute sem deixar a bola cair. Pintura, que terminou anulada. O árbitro Raphael Claus viu uma falta no lance através do VAR e cancelou a reação histórica. Permitiu a classificação ucraniana sem prorrogação.

Os azzurrini não esconderam a enorme decepção. A marcação do árbitro foi bastante discutível, especialmente diante da encenação de Valeriy Bondar após o contato. Treinador italiano, Paolo Nicolato afirmou que Claus “cometeu um erro, não uma injustiça, já que o braço foi usado como proteção”. Capitão e grande destaque da Nazionale, Andrea Pinamonti salientou como o revés “machuca”, após todos os esforços da equipe e a maneira como a eliminação se consumou. Terão que se contentar com a disputa pelo bronze.

Mais tarde, em Lublin, a Coreia do Sul conquistou a vitória por 1 a 0 na marra. Fez um jogo parelho contra o Equador e não pode reclamar da sorte ao longo da noite. Aos 38 do primeiro tempo, Leonardo Campana quase anotou um golaço por cobertura, mas parou no travessão. Um minuto depois, os sul-coreanos abriram o placar. Foi uma cobrança de falta inteligente de Lee Kang-in, na qual Choi Jun disparou pela ponta esquerda e finalizou com maestria. Os asiáticos tiveram chances para ampliar na etapa complementar, mas os equatorianos foram melhores e pressionaram na reta final. O grande herói foi o goleiro Lee Gwang-yeon. Foram três defesas milagrosas do arqueiro, sobretudo na cabeçada à queima-roupa de Campana aos 49. O milagre decidiu o confronto.

A Coreia do Sul coloca a Ásia em uma final do Mundial Sub-20 pela primeira vez desde 1999, quando o Japão perdeu para a Espanha. Além disso, também haviam se passado 20 anos desde a última decisão sem um representante da América do Sul. A Ucrânia, por outro lado, possui um precedente: é a primeira antiga república soviética a almejar a taça desde o vice da URSS em 1979. As esperanças a ambos são de título, mas também de garantir uma fornada de talentos para o futuro. A final acontece em 15 de junho, próximo sábado, na cidade de Lodz. Independentemente de quem ganhar, será um momento memorável ao futebol do país.