A Data Fifa serve de respiro aos clubes, especialmente àqueles que não precisam ceder jogadores às seleções. É momento de parar um pouco, fazer ajustes e seguir com força para a reta final da temporada. E os campeonatos na maior parte da Europa chegam a seus momentos decisivos. Não apenas as ligas mais badaladas, mas também as competições de vários países secundários. Diante da pausa, aproveitamos para apresentar um balanço geral do “lado b” do continente e indicar alguns clubes para prestar atenção nas próximas semanas. Não são exatamente as forças de seus países, mas estão prontos a surpreender. Ou, em alguns casos, são as antigas potências que voltam a sonhar com o topo. Confira:

Viitorul Constanta

Onde: Campeonato Romeno
O que busca: Título inédito
Como está: Líder com três pontos de vantagem
Restam: Oito rodadas do hexagonal decisivo

A Romênia vem se abrindo a novos campeões de maneira frequente nos últimos anos. Não à toa, o Astra Giurgiu se consagrou na última temporada, interrompendo o tricampeonato do Steaua Bucareste. Já neste ano, uma história bem interessante pode pintar na Liga I. Por sua trajetória, o Viitorul Constanta já chamaria atenção naturalmente. Fundado em 2009, o clube conquistou o acesso na terceira divisão logo em seu ano de estreia, enquanto chegou à elite em 2012-13. Depois de passar as primeiras campanhas em posições de meio de tabela, deu seu salto na última edição do Campeonato Romeno, terminando em quinto e avançando às preliminares da Liga Europa – mas caindo para o Genk. Já nesta temporada, viveu uma ascensão marcante e ocupa a liderança, com três pontos de vantagem sobre o Steaua no hexagonal final. E há um certo carisma que provoca simpatia em relação ao Viitorul: a equipe foi criada por Gheorghe Hagi, como uma maneira de promover os talentos de sua academia. O gênio romeno, inclusive, é o treinador desde 2014. Recheado de garotos, o elenco possui média de idade de 22,2 anos, e já possui seus destaques frequentando as convocações da seleção.

rijeka

Rijeka

Onde: Campeonato Croata
O que busca: Fim de hegemonia e título inédito
Como está: Líder com quatro pontos de vantagem
Restam: 11 rodadas

A maior hegemonia do futebol europeu deve cair nesta temporada. O Dinamo Zagreb conquistou as últimas 11 edições do Campeonato Croata, em dominância sustentada pela qualidade na revelação de talentos, mas também por uma íntima relação com a federação, em jogo de poder denunciado pelos próprios ultras. Nesta temporada, o apito amigo continua ajudando o time da capital e gerando polêmica. Mesmo assim, não deve ser suficiente para manter a taça. Melhor para o Rijeka, que se estabeleceu como segunda força nos últimos anos e lidera com quatro pontos de vantagem. Os Brancos sequer perderam uma partida na competição, com 20 vitórias em 25 rodadas. O elenco é composto basicamente por jogadores de países da própria região dos Bálcãs. O destaque é o meia Franko Andrijasevic, trazido justamente do Dinamo Zagreb.

ISTANBUL, TURKEY - AUGUST 06: Emre Belozoglu of Medipol Basaksehir during the UEFA Europa League third qualifying round second leg match between Medipol Basaksehir and AZ Alkmaar at Basaksehir Fatih Terim stadium on August 06, 2015 in Istanbul, Turkey. (Berk Özkan - Anadolu Agency)

Istanbul Basaksehir

Onde: Campeonato Turco
O que busca: Primeiro título a Istambul fora do trio de ferro
Como está: Vice-líder, dois pontos atrás
Restam: Nove rodadas

A partir da terceira rodada, o Istanbul Basaksehir assumiu a liderança da Süper Lig. Permaneceu no topo até o fim do primeiro turno, mas perdeu o topo da tabela na virada do campeonato. Contudo, segue como o principal concorrente ao Besiktas, atual campeão turco e, com a vantagem de se concentrar em apenas uma frente, enquanto os oponentes deverão se desdobrar com os confrontos diante do Lyon na Liga Europa. Clube de ascensão recente, o antigo Istanbul BB possui aporte financeiro, que o permitiu montar um elenco tarimbado, capitaneado pelo veterano Emre Belozoglu. Além disso, também se reforçou em janeiro, incluindo Emmanuel Adebayor no pacotão. E no banco de reservas há um treinador experiente, Abdullah Avci, que chegou a dirigir a seleção local. É ver se os desafiantes conseguem uma reviravolta e quebram a hegemonia do trio de ferro em Istambul – em triunfo que nunca veio para um quarto representante da metrópole. O confronto direto com o Besiktas acontece em 30 de abril, na casa do Basaksehir, o moderno Estádio Fatih Terim.

honved

Honvéd

Onde: Campeonato Húngaro
O que busca: Primeiro título em décadas
Como está: Vice-líder, três pontos atrás
Restam: Dez rodadas

O clube que serviu de base a uma das maiores seleções da história não viveu apenas de Ferenc Puskás e companhia. Obviamente, o time das forças armadas atravessou seu período mais notável nos anos 1950, mas voltaria a ser uma potência regional na década de 1980. Após a queda do regime comunista, permanece como coadjuvante. Que agora sonha em recuperar a taça após 24 anos. Desde a virada do século, os rubro-negros nunca foram além da terceira colocação, além de faturarem por duas vezes a Copa da Hungria. Agora, estão a três pontos de alcançar o líder Videoton, que ascendeu ao topo nos últimos anos. Treinado pelo italiano Marco Rossi, o Honvéd tem entre os seus destaques o atacante Davide Lanzafame, revelado pela Juventus e rodado no Calcio. Outro magiar tradicional que pode reviver suas glórias é o Vasas. Semifinalista da Champions em 1957-58, o clube de Budapeste é o terceiro e pode voltar às copas europeias após 16 anos.

slavia

Slavia Praga

Onde: Campeonato Tcheco
O que busca: Volta ao topo
Onde está: Vice-líder, um ponto atrás
Restam: Dez rodadas

Historicamente, o Slavia Praga é a segunda força do futebol tcheco. Todavia, as antigas glórias andam um tanto quanto restritas aos alvirrubros, campeões apenas três vezes desde o desmembramento da antiga Tchecoslováquia. De qualquer maneira, a equipe mostra as suas credenciais para encerrar o jejum que já dura oito anos. O Slavia está um ponto atrás do Viktoria Plzen, a principal potência local nesta década. Dá para sonhar. O atual elenco conta com diversos jogadores de seleções secundárias, seis deles chamados na última convocação da República Tcheca. A estrela é o atacante Milan Skoda. Mais abaixo na tabela, vale prestar atenção também no Zlín. Quarto colocado, o tradicional clube pode retornar às competições europeias pela primeira vez desde 1971, quando se sagrou campeão da Copa da Tchecoslováquia e caiu para o PSV na Recopa.

jagi

Jagiellonia Bialystok

Onde: Campeonato Polonês
O que busca: Título inédito
Como está: Líder com um ponto de vantagem, rumo ao octogonal final
Restam: Quatro rodadas da temporada regular e sete do octogonal

Surgido em 1920, o Jagiellonia passou a frequentar o primeiro nível do Campeonato Polonês a partir da década de 1980. Chegou a cair à quarta divisão na virada do século, mas se recuperou desde então e se firmou na elite depois de 2008. O que nunca havia conseguido antes era acreditar no título de maneira tão concreta, no máximo se qualificando à Liga Europa em duas oportunidades. A concorrência é dura e o caminho é longo. O clube de Bialystok possui apenas um ponto a mais que Legia Varsóvia e Lech Poznan, potências do país, embora dispute a liderança desde as primeiras rodadas. Além disso, ao final da temporada regular, ainda precisa suportar ao octogonal decisivo. O time conta com o brilho de Konstantin Vassiljev, decano da seleção estoniana, e tem na zaga o brasileiro Guti, titular do Joinville no Brasileirão de 2015. Vale ficar de olho também no Lechia Gdansk, tradicional no país, mas que busca seu primeiro título e é o quarto, três pontos atrás dos líderes; assim como no Termalica Nieciecza, representante da cidade de 750 habitantes que vem se saindo bem na elite e briga por um lugar na fase decisiva.

ÁÍÓÁÑÉÖÁÑÍÔ ÐÁÍÉÙÍÉÏÓ - ÐÁÓ ÃÉÁÍÍÉÍÁ PANIONIOS - PAS GIANINA (SUPERLEAGUE 2016-2017)

Panionios

Onde: Campeonato Grego
O que busca: Sonha com a taça, mas a vaga na Champions já seria ótima
Como está: Vice-líder, seis pontos atrás
Restam: Cinco rodadas, mais quadrangular final das copas europeias

Clube mais antigo da Grécia e quinto com mais participações no Campeonato Grego, o Panionios nunca foi de fazer grandes campanhas. A equipe do subúrbio de Atenas só possui três pódios em toda a sua história e nunca ficou com a taça. No máximo, ganhou duas vezes a Copa da Grécia. Mas, diante do panorama atual, não custa ter fé. Os Panteras ocupam a segunda colocação, a seis pontos do multicampeão Olympiacos – que, no entanto, vem de quatro derrotas nas últimas cinco rodadas. De qualquer maneira, mesmo o vice seria um feito e tanto, o que não acontece desde 1970-71. E, neste caso, ainda largaria com vantagem para o quadrangular disputado entre o segundo, o terceiro, o quarto e o quinto colocado na tabela, valendo uma vaga na Champions e duas na Liga Europa. O Panionios, que nunca esteve na principal competição continental, não valida o seu passaporte desde 2007. Entre os jogadores mais conhecidos de seu elenco, dois atacantes ex-Liverpool, David N’Gog e Samed Yesil, além do iraniano Masoud Shojaei.

Kükesi

Onde: Campeonato Albanês
O que busca: Título inédito
Como está: Líder, com vantagem no confronto direto
Restam: Dez rodadas

O título albanês historicamente circulou pela capital. SK Tirana, Dinamo e Partizani são os maiores campeões locais. Nesta década, contudo, o Skënderbeu Korçë ascendeu como nova potência, faturando todos os campeonatos desde 2011. Mas, nesta temporada, o troféu pode mudar de mãos. Outro emergente dos últimos anos, tri-vice entre 2013 e 2015, o Kükesi lidera há 14 rodadas. Não que esteja tranquilo na ponta: a vantagem sobre o Partizani é apenas no confronto direto, enquanto o Skënderbeu vem babando em terceiro, só dois pontos atrás. E restam 10 rodadas para tentar segurar a diferença. Com apoio de políticos da região e alto investimento para os padrões locais, o elenco está recheado de brasileiros pouco conhecidos, incluindo o camisa 10 Jean Carioca, ex-Botafogo. Caso o Partizani consiga uma reviravolta, conquistaria o seu primeiro título desde 1993.

Trepça 89

Onde: Campeonato Kosovar
O que busca: Primeiro representante da nação nas copas europeias
Como está: Líder com seis pontos de vantagem
Restam: Onze rodadas

Independentemente de quem ficar com a taça, o Campeonato Kosovar vive uma edição histórica nesta temporada. Pela primeira vez, a nação (reconhecida pela Uefa, mas ainda ligada oficialmente à Sérvia) poderá contar com seus clubes nas competições continentais. E, ao que tudo indica, o Trepça 89 figurará na próxima Liga dos Campeões. A equipe fundada em 1989 é forte candidata a conquistar o título inédito, quebrando a sequência do Feronikeli, vice-líder com seis pontos a menos. Destaque do time, o nigeriano Otto John marcou 18 gols em 22 rodadas e é o artilheiro da competição. Agremiação mais tradicional da região, com cinco participações no antigo Campeonato Iugoslavo, o Pristina é apenas o terceiro.

Jogadores do Rangers comemoram

Rangers

Onde: Campeonato Escocês
O que busca: Volta às copas europeias
Como está: Terceiro, com sete pontos de vantagem ao quarto
Restam: Nove rodadas

A empreitada do Rangers rumo à primeira divisão se concretizou nesta temporada. Foram quatro anos até que o gigante, recuperado economicamente, ascendesse da quarta divisão à elite do Campeonato Escocês. Ainda assim, outros objetivos seguem sendo perseguidos pelos Teddy Bears. E, se neste momento não dá para competir com o Celtic pelo título, a 33 pontos de distância, ao menos deve acontecer o retorno às competições continentais. O Rangers ocupa a terceira colocação com certa tranquilidade em relação aos concorrentes. Entre as referências do elenco, medalhões como Kenny Miller e Niko Kranjcar. O clube soma 51 aparições em competições continentais, uma a menos que o rival Celtic. A última delas veio em 2011-12, temporada da bancarrota, caindo nas preliminares da Liga Europa.

Oostende

Onde: Campeonato Belga
O que busca: Vaga inédita nas copas europeias
Como está: Quinto colocado no início do hexagonal final
Restam: Dez rodadas e talvez um playoff

Tradicionalmente presente nas divisões de acesso da Bélgica, o Oostende se estabilizou na elite a partir de 2013. O clube do noroeste do país tem feito campanhas dignas desde então. E vai brigar por uma das vagas às competições continentais. Os Kustboys quase carimbaram seu passaporte pela primeira vez na Copa da Bélgica, mas perderam a decisão e a vaga na Liga Europa para o Zulte Waregem. Agora, estão no hexagonal decisivo da Division A. Em teoria, os dois primeiros colocados vão à Champions, o terceiro avança à Liga Europa e o quarto precisará disputar um playoff contra os times da segunda divisão. Contudo, com a presença do Zulte no hexagonal, sobra uma vaga. O Oostende iniciará a fase final em quinto, o que neste momento o levaria ao playoff. Destaque para o elenco, rodado e cheio de jogadores das seleções africanas, que inclui Silvio Proto, David Rozehnal, Didier Ovono, Knowledge Musona e Sebastien Siani. O brasileiro Fernando Canesin também faz parte.

semak

Ufa

Onde: Campeonato Russo
O que busca: Vaga inédita nas copas europeias
Como está: Quinto, a um ponto da zona da Liga Europa
Restam: Dez rodadas

Assim como outros tantos clubes russos, o Ufa ascendeu como representante regional. A equipe da cidade homônima foi fundada em 2010 e apadrinhada por representantes do Bascortostão, sétima divisão federal mais populosa do país. Foram dois acessos até a chegada na primeira divisão em 2014 e, depois de campanhas medianas, já dá para pleitear uma vaga nas competições continentais. Em quinto, o time briga pela última vaga na Liga Europa com times presentes na última edição do torneio continental, sobretudo o Krasnodar e o Rostov. E restam ainda 10 rodadas para manter o ritmo. No banco de reservas, o treinador é Sergei Semak, veterano com cinco títulos nacionais (por CSKA Moscou, Rubin Kazan e Zenit) e 13 anos de seleção. Pegando embalo, com cinco vitórias nas últimas sete rodadas, o Ufa sofreu apenas 13 gols, ainda que seu ataque tenha míseros 14 gols em 20 partidas.

Olimpik Donetsk

Onde: Campeonato Ucraniano
O que busca: Vaga inédita nas copas europeias
Como está: Quarto ou quinto no início do hexagonal final
Restam: Dez rodadas

Ao que tudo indica, o título do Campeonato Ucraniano deve retornar a Donetsk nesta temporada. O Shakhtar terminou a fase de classificação da liga com 16 pontos de vantagem sobre o Dynamo Kiev. Mas não é só o principal clube da cidade que vem se destacando. O Olimpik ascendeu como segunda força local, após o fim do Metalurh, dissolvido por problemas financeiros em 2015. Fundados em 2001, a partir de uma instituição voltada para o desenvolvimento de jovens jogadores, os novatos chegaram à elite em 2014 e disputarão pela primeira vez o hexagonal decisivo. Caso vença o jogo atrasado contra o Karpaty Lviv, o time assume a quarta posição, que já o colocaria na zona de classificação às preliminares da Liga Europa. Ao contrário dos principais concorrentes, o elenco só possui um atleta estrangeiro: o atacante marroquino Moha Rharsalla.

Lyngby

Onde: Campeonato Dinamarquês
O que busca: Volta às copas europeias
Como está: Terceiro colocado, classificado ao hexagonal final
Restam: Dez rodadas, mais playoff

Duas vezes campeão nacional e uma das forças locais na década de 1980, o Lyngby caiu no ostracismo desde a virada do século, vivendo na gangorra entre descensos e acessos. Mas, após faturar a segundona na última temporada, veio com força suficiente para se recolocar na elite. Não vai dar para disputar a taça com o Copenhague ou mesmo pegar a segunda colocação do Brondby. De qualquer maneira, o time se coloca na briga pelos playoffs à Liga Europa, na terceira colocação. Caso mantenha o posto, precisará disputar um jogo eliminatório contra um time repescado da parte inferior da tabela. É a chance de voltar ao cenário continental depois de 17 anos, com a última aparição na Copa da Uefa de 1999-00. Nos últimos anos, o único destaque foi mesmo o time de masters mantido pelo clube, que chegou a contar com os irmãos Michael e Brian Laudrup.