10 motivos para acompanhar de perto a Copa da Ásia de 2015

Todos os olhos dos apaixonados por futebol, qualquer futebol, estarão voltados para Melbourne, na próxima sexta-feira. A Austrália enfrenta o Kuwait no jogo de abertura da 16ª edição da Copa da Ásia, o torneio do continente mais populoso do mundo, com 4,4 bilhões de moradores.

LEIA MAIS: Príncipe da Jordânia pode ser grande adversário de Blatter pela presidência da Fifa

Os donos da casa buscam seu primeiro título importante, mas Arábia Saudita e Japão, os vencedores de sete das últimas oito edições, são os favoritos. A Coreia do Sul, outro grande time da região, busca quebrar um jejum de 55 anos.

E essas são apenas algumas atrações do torneio que dura até o último dia de janeiro. Reunimos dez para convencê-lo a dar atenção ao carismático torneio.

A estreia da Palestina
Torcedores da Palestina com policiais de fronteira (Foto: AP)

Torcedores da Palestina com policiais de fronteira (Foto: AP)

Desde que formou a sua primeira seleção, em 1998, a Palestina nunca disputou uma grande competição. Sempre parou nas eliminatórias da Copa da Ásia e da Copa do Mundo. Mas ano passado venceu a AFC Challenge Cup e conseguiu a vaga. Em constante estado de guerra e com dificuldades para treinar, devido às restrições de locomoção entre os territórios de Gaza e Cisjordânia, a mera participação é um motivo de orgulho para os palestinos. Ainda mais na Austrália, o único país, ao lado dos Estados Unidos, que votou contra uma resolução das Nações Unidas para conceder à Palestina o status de Estado.

A busca da Austrália pelo inédito título – e em casa

O futebol australiano cresceu nos últimos anos, a ponto de se separar da Oceânia e se juntar à Confederação Asiática. Um desafio maior que os Socceroos ainda tentam superar. Apesar da evolução, a seleção desse país nunca venceu um grande torneio. Chegou perto, com a final do torneio continental de 2011, quando perdeu do Japão, e da Copa das Confederações de 1997. Pode ter chegado a vez da Austrália, cuja obrigação como sede é chegar ao menos às semifinais. E como força emergente do futebol, vencer a competição.

Ingressos baratos, logo, estádios cheios

Crianças podem entrar nos estádios da Copa da Ásia por apenas U$ 5. Uma família inteira, com quatro membros, por U$ 40. A organização da competição colocou o preço dos ingressos baixos de propósito para aproveitar o verão e as férias escolares para lotar as suas arquibancadas. Mesmo a final pode ser vista por U$ 79, preço que, comparado aos da Copa do Mundo, parece quase de graça. A festa da torcida australiana promete ser bonita.

O jejum da Coreia do Sul

A Coreia do Sul conquistou as duas primeiras edições da Copa da Ásia. E nunca mais. Uma das principais seleções do continente, não chega à decisão desde 1988. De lá para cá, disputou apenas três semifinais. Agora, tem a chance de recuperar o seu orgulho. Está sendo treinado pelo alemão Uli Stielike após a Copa do Mundo e mostra mais organização tática dentro de campo, onde o líder é Heung-Min Son, craque do Bayer Leverkusen. As perspectivas são interessantes para os sul-coreanos em um torneio sem times incontestáveis.

A misteriosa Coreia do Norte
A torcida da Coreia do Norte (Foto: AP)

A torcida da Coreia do Norte (Foto: AP)

Entre as poucas informações que saem da Coreia do Norte, a ditadura mais fechada do mundo, algumas indicam que o chefe do país Kim Jong Un está dando atenção ao esporte. Oferece apartamentos de luxo para atletas que conquistam medalhas, começou uma relação com a estrela de basquete Dennis Rodman e tem altas expectativas para o futebol. A seleção norte-coreana, de fato, vem fazendo boas campanhas nos torneios de categoria de base. Uma apresentação decente na Copa da Ásia seria importante nesse projeto, até porque participou apenas duas vezes do torneio principal desde 1980, quando conseguiu sua melhor campanha, as semifinais. Mas ninguém sabe o que a Coreia do Norte vai fazer na Austrália. Ninguém sabe muito sobre a Coreia do Norte, no geral, e pode descobrir um pouco mais na Copa da Ásia.

Em que nível está o futebol do Catar?

Até segunda ordem, a Copa do Mundo de 2022 será realizada no Catar. Pela primeira vez na história, o pequeno país colocará os seus pés no grande palco do futebol mundial. Em 2011, chegou às quartas de final e igualou a sua melhor campanha, em 2000. Para a Copa do Mundo de 2014, não se classificou, e perdemos a chance de avaliar o verdadeiro nível de uma das 32 seleções (até segunda ordem) do Mundial que começa em sete anos. Agora temos outra, e o segundo jogo do time já é contra o Irã.

A redenção asiática após a Copa do Mundo

A melhor atuação de um time asiático na Copa do Mundo foi a derrota da Austrália para a Holanda por 3 a 2. Isso já deixa bem claro o desempenho dos times do continente no Brasil: Japão e Coreia do Sul foram lanternas de grupos relativamente fáceis; o Irã fez bons jogos, mas também ficou em último lugar; a Austrália não somou nenhum ponto. Grandes jogos na Copa da Ásia podem ser a redenção do futebol oriental (ou a confirmação de que a situação está complicada por ali).

Há bons jogadores, sim
Shinji Kagawa, o craque do Japão (Foto: AP)

Shinji Kagawa, o craque do Japão (Foto: AP)

Não temos nenhum confronto entre Cristiano Ronaldo e Ribéry. Nem Neymar versus Messi. Mas a Copa da Ásia tem o seu contingente de bons jogadores: Keisuke Honda, Shinji Kagawa, Heung-min Son, Lee Chung-yong, Tim Cahill, Reza Ghoochannejhad e muitos que podem usar a competição para se destacar e chamar a atenção.

A hegemonia do Japão

Todo campeonato tem um bicho-papão, e a Copa da Ásia não é diferente. O Japão conquistou quatro das últimas seis edições da competição, é o atual campeão e busca o pentacampeonato, já com um título de vantagem para Arábia Saudita e Irã na tabela histórica de campeões. Mais uma vez, o Japão é favorito ao título porque tem os melhores jogadores e o time mais forte, mas será que manterá a hegemonia?

Chance de grande jogo já nas quartas de final

Não vai demorar nada para o mata-mata da Copa da Ásia pegar fogo. A Austrália está no grupo A ao lado da Coreia do Sul. No B, o grande time é a Arábia Saudita. Se os três se classificarem, haverá um encontro eletrizante entre favoritos logo nas quartas de final. Sem contar que australianos e sul-coreanos fecham a fase de grupos deles, em 17 de janeiro de 2015.

Você também pode se interessar por:

>>>> Paulo Autuori no Cerezo Osaka é um erro maior que a vinda de Forlán

>>>> “Boas festas” é isso aqui: o show nas arquibancadas antes do clássico saudita

>>>> Índia teve em 2014 a quarta maior média de público do mundo, mas ainda é só uma aventura