O Meu Time de Botão é um podcast da Central 3, nossa parceira no podcast semanal da Trivela, que traz um convidado para falar sobre um time que marcou a sua vida. Todas as edições podem ser vistas aqui.

Por Paulo Júnior e Leandro Iamin

O Internacional, tricampeão brasileiro nos anos 1970, não conquistou grandes taças na década seguinte, chegando duas vezes ao vice-campeonato brasileiro e também perdendo uma final de Libertadores. Na rivalidade local, ainda viu o Grêmio ser campeão da América e do mundo antes de conquistar um hexacampeonato gaúcho. A história desta edição do Meu Time de Botão vem depois disso: a reconquista nacional colorada com a Copa da Brasil de 1992.

Paulo Junior e Leandro Iamin, paulistas, recorreram a um gaúcho e torcedor do Internacional para ilustrar o quanto aquele time marcou quem segue o quadro do Beira-Rio. E Douglas Ceconello, blogueiro do Meia Encarnada, definiu aquele onze como o time de sua vida – e olha que a caminhada até o título foi repleta de camisas pesadas.

Depois de sair da fila em 1991, com o título estadual, o Inter não foi bem no Brasileiro de 1992. Mas na Copa do Brasil embalou uma grande fase: eliminou Muniz Freire, inédito campeão capixaba; o Corinthians, com direito a goleada por 4 a 0 no Pacaembu; o Grêmio, de forma dramática, nos pênaltis; o Palmeiras, com nova vitória em São Paulo; e o Fluminense, com gol do título no final do jogo em Porto Alegre.

O time é repleto de grandes personagens e histórias. O goleiro, Gato Fernandéz, é o veterano paraguaio que brilhou pegando pênaltis decisivos. O gol decisivo na final é de Celio Silva, zagueiro de chute poderoso e cobrador de pênaltis daquela equipe. O brilho no meio era do garoto Caíco, nos seus primeiro​s passos​​ no futebol. A frente tinha Gerson, artilheiro implacável que morreu, em 1994, vítima, possivelmente, de complicações decorrentes do vírus HIV.

A história deste Internacional, presente na memória afetiva colorada e campeão de uma Copa do Brasil muito comemorada, é a protagonista do Meu Time de Botão #103. Até semana que vem!